Monday, December 13, 2010

Governador por que não podemos ter uma ‘Drive’s License’?

Paulo Monauer e Deval Patrick - Governador do Estado de Massachusetts

  • Nesta quarta-feira, 8 de dezembro, me desloquei até a University of Massachusetts Boston para mais uma entrevista coletiva com o carismático governador de MA, Deval Patrick , junto com diversas etnias e mídias comunitárias. Ele respondeu durante quase 2 horas vários perguntas sobre tópicos importantes para os imigrantes e as diversas comunidades.
Foram abordados assuntos como DREAM ACT, escolas publicas fechadas em cidades onde grande concentração de imigrantes estão sendo prejudicados por esta decisão; acordo entre a polícia estadual e a imigração; e não podia faltar a carteira de motorista para indocumentados. Eu tenho conhecimento que uma das maiores reivindicações e necessidade dos imigrantes indocumentados é a carteira para dirigir, e fiz questão de resaltar o tema fazendo uma pergunta ao governador sobre o assunto.
  • Enfatizei sobre a grande necessidade e injustiça que envolve a questão, os imigrantes indocumentados. Na verdade podemos comprar um carro e fazer o seguro, mas não podemos dirigir o veículo. Vivemos em uma constante aflição toda vez que saímos de casa, atemorizados pelo medo de ser parados pela polícia. O Governador Deval Patrick imediatamente respondeu que; ‘infelizmente ele vai esperar por uma lei federal, e que apesar de estar ciente da situação, ele não tinha poderes para criar um projeto que permitisse que imigrantes ilegais conseguissem tirar suas carteiras de motoristas’.
Como não fiquei contente com a resposta, retruquei mostrando uma carteira de motorista do Estado de Utah que livremente é fornecida aos indocumentados daquele estado, e informei que outros estados também já tinham dado um passo a frente nesse assunto tão delicado e que eles cansaram de ficar esperando por uma lei federal para poder ajudar seus imigrantes indocumentados. Acrescentei que Estado de Utah disponibiliza de um sistema chamado “Driving Privilege”, em que imigrantes ilegais se qualificam para ter a carteira de motorista se residirem a mais de 6 meses no estado, possuírem um ITIN number, comprovarem competência para dirigir e comprovarem sua identidade. O Governador Deval Patrick não respondeu ao meu questionamento em relação ao assunto, parecia que eu estava falando de algo surreal.
  • Novamente retruquei a falta de resposta apresentando também como os outros Estados estão se beneficiando com a disponibilização deste recurso aos indocumentos. Explanai que ao permitir que imigrantes ilegais dirijam legalmente em MA, em efeito cascata uma renda significativa vai ser gerada com a implantação de uma nova lei neste sentido no estado. Sejam mais carros comprados, mais dinheiro arrecadado, mais impostos pagos, e mais segurança nas estradas. Não é a solução para todos os problemas, mas é um começo de dignidade para pessoas honestas e trabalhadoras que esperam viver dentro das leis deste país. De contra partida o Governados disse: ‘não sou rei para ditar leis, sou governador e pouco posso fazer para reverter esta situação’. 
No fim fui cumprimentá-lo e neste momento algo mudou e em um tom muito amável ele se mostrou bastante interessado em saber um pouco mais sobre o projeto do Estado de Utah, pediu para ver a carteira de motorista original que levei em mãos, analisou a carteira por algum período, ficou com ela nas mãos, verificou a data da emissão, confecção, etc., e fez várias perguntas sobre o documento e indagou se ele tinha força como uma carteira regular, se outros estados tinham este tipo de carteira de motorista. Procurei responder suas perguntas e dei um breve esclarecimento de como funciona a processo do ‘Privilegio de Dirigir’. Verificaquei que ele desconhecia totalmente o assunto. Percebei também que ele jamais teve o privilégio de ver um documento destes em mãos a ponto de verificar sua autenticidade. Meu objetivo foi mostrar que tem muitos estados que já partiram na frente de uma lei federal há muito tempo, e que gostaríamos que ele pelo menos ele refletisse sobre minhas perguntas e ideias, acredito que o meu objetivo foi alcançado e ouvido.
  • Na verdade nunca podemos desistir de plantar sementes nos pensamentos do governador, mostrando soluções praticas, sobre nossas dificuldades. Quem sabe o sonho da nossa comunidade um dia não vira realidade aqui em MA, independente de uma lei federal.
 Paulo Monauer