Wednesday, September 26, 2012

Freeway pede falência - Abandona milhares de clientes



Freeway pede falência na corte

A novela se repete agora com a Freeway Moving & Transportation, LLC, que entrou com pedido Bankruptcy em NJ pelo (Chapter 7) (12-32960) (caseupld, 1027u), voluntariamente na ‘New Jersey Bankruptcy Court ‘, o ‘Case number é 2.12-bk-32960' na quinta-feira 19 de setembro de 2012, através da representação do escritório de Vincent Commisa (20 Manger Road, West Orange, NJ 07052 – 908.757.3900 Fax 973.821.7722 – E-mail: vcommisa@vdclaw.com) e a juíza responsável que recebeu o pedido de falência é Rosemary Gambardella. O valor da falência esta orçado entre 500mil a 1milhão de dólares.

·      O que fazer neste caso? O que vai acontecer daqui para frente?

Não há nada que possa ser feito agora. Quando um pedido de falência é solicitado cabe ao juiz decidir se aceita ou não, cabe ao juiz investigar se houve ou não ma fé ou desvio de dinheiro. Para isso ele nomeia um “Trustee”, tipo um fiel depositário da corte. A ele cabe investigar, levantar dados, e chegar o financeiro da empresa, inventário, etc. O filme é o mesmo para quem acompanhou nas paginas do Hello Brasil News a falência da BR Courier e Ipanema Moving há pouco tempo atrás.

·      Minha caixa ou mudança esta no porto do Brasil e agora perdi tudo?

Nós aqui dos USA pouco ou quase nada podemos fazer pelo que esta retido nos portos Brasileiros da Freeway Moving, até por que tudo que esta no Brasil da Freeway Moving não esta no nome dela e sim de laranjas ‘legais’ que levavam os volumes e mudanças deles para o Brasil. Uma alternativa legal no Brasil e levar estes ‘laranjas legais’ para o PROCON e o Juizado de pequenas Causas e pedir o ressarcimento do seu prejuízo para estas empresas. Eles vão negar que devem pagar, mas isso é normal, eles lucraram com os volumes da Freeway logo são corresponsáveis. Deixe que o juiz decida sobre isso e não cai no conto destas empresas que sua tentativa vai ser em vão.

·      Preciso de informações das minhas caixas no Brasil e aqui nos USA. O que devo fazer?

Bem a Freeway fechou todas as suas portas nos USA, inclusive da matriz em NJ. A solução para esta falta de informação de onde se encontra os seus volumes e mudanças e de como você pode fazer para retira-las de onde esta, seja no Brasil ou USA o lugar mais provável para tentar uma pressão na empresa para liberar tais informações seria com o representante da empresa o escritório do ‘Vincent Commisa’, veja bem estou falando de liberação de informação, ou seja, em qual porto, qual container, quem é o cabeça do container, qual companhia que envio, etc. Se você quiser brigar por indenização, ou ligar para ofender alguém, NÃO ligue para este escritório, não vai funcionar. Outra alternativa talvez e acionar a juíza do caso que pode obrigar a empresa a liberar tais dados, talvez você fazendo uma petição na corte de NJ, os dados podem ser liberados, este é um dever da empresa, e para mostrar boa fé ela precisa cooperar com a sua liquidação.

·      Tem alguém no Brasil em quem eu possa confiar para me ajudar no caso da Freeway?

Existe um despachante em Santos que diz estar ajudando as pessoas que tem problemas com a Freeway a liberar seus volumes. Não podemos falar nada sobre a sua idoneidade ou resultados que vai ter que ser descoberta pelas pessoas que o procurarem.

·        Jose Ricardo Nagahiro / R T M A G
Assessoria Aduaneira Transportes e Comercio Exterior
Fone: 55* xx (13) 3016 9483, 3025 6200
Magic Jack: 508 861 4618 - 508 598 7416
Nextel: 55*105*152072
Skype: NAGA6017
site:
www.rtmag.webs.com
e-mail:
rtmag@rtmag.com.br
Santos/SP/BR

·      Tenho uma ordem de prisão cível contra os donos da Freeway, que posso fazer neste caso?

Sua ordem de prisão tem valor, mande prende-la, mas para isso você tem pagar um oficial de justiça. Com certeza ela vai pagar para não ser presa.

·      Tenho uma corte marcada para daqui alguns dias vale a pena eu ir? Vou receber alguma coisa se ganhar?

Se você marcou a corte e pagou para entrar com esta ação contra a Freeway e justo você ir. Com certeza vai ganhar. Quando a você receber alguma coisa, fica difícil de nos sabermos. Se a Bankruptcy, for aceita o Trustee vai fazer uma liquidação dos bens da empresa, e o primeiro dinheiro e para pagar o serviços do Trustee nomeado pelo juiz, depois o restante é para pagar os custos da corte. O que sobrar e para pagar os credores da empresa no caso quem enviou caixas, ou mudanças, ‘e se sobrar é claro’, na maioria dos casos de Bankruptcy de transportadoras nunca sobra nada e até falta dinheiro para todas as despesas.

Filiais e matriz da Freeway Moving – Todas estão fechadas e os telefones mudos.

Freeway Moving
410 CLERMONT TER
UNION, NJ 07083
# 888 867 3030


 



Massachusetts
New York
Florida
25 LORING DRIVE
FRAMINGHAM, MA 01702
#( 508) 820-1617
110 GRAMATAN AVE
MOUNT VERNON, NY 10550
#(914) 363-4770
4100 Power Line Road
POMPANO BCH, FL 33073
#(954) 366 6243

OBS: O Hello Brazil News, mais uma vez se coloca a disposição como de costume para ajudar quem quer seja, não importa o estado dos USA ou clientes do Brasil, para qualquer esclarecimentos e ajuda, totalmente sem custo. Contatos do Hello Brasil News: pmonauer@hellobrazilnews.com, facebook Hello Brazil News ou pelo fone 617.593.18282.

 HBN – Paulo Monauer
Contato Hello – pmonauer@hellobrazilnews.com

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Wednesday, September 19, 2012

A semana!


Tudo parece correr bem e sem muitas novidades. Os estudantes que se qualificam para terem uma legalização parcial, de acordo com OE do Presidente Obama, estão recebendo apoio de varias instituições e ONGs brasileiras e hispânicas, para preencherem seus formulários de qualificação. Algumas cobram pela ajuda outras não. Tudo normal. Por outro lado quem quer um trabalho mais qualificado e profissional, alguém que possa se responsabilizar pelo acompanhamento de todo o processo, contrata um advogado. Na verdade quantos estudantes brasileiros em Massachusetts vão ou poderão se beneficiar com esta legalização parcial e temporária oferecida pelo Presidente Obama. Com certeza não mais do que 10 mil, de um universo de 270 mil brasileiros locais em Massachusetts. Isso sendo bem otimista, por que eu acredito serem menos.
A quantidade de brasileiros ilegais em Massachusetts diminuiu muito nos últimos anos, por que muitos se tornaram legais e consequentemente suas famílias também são legais. Logo, o numero de legais na comunidade aumentou e número de ilegais diminuiu.  A balança mexeu, e tirando aquela meia dúzia que vai embora de vez enquanto e a enxurrada que esta chegando, pode ser que quantidade de ilegais vote a crescer. Mas vamos esperar um pouco mais para analisarmos esta situação com mais clareza, nos próximos meses. A debandada de brasileiros para o Brasil que alguns usam como bandeiras na mídia local, aquele papinho de fim de ano, de repórteres quem vivem enfornados em uma sala, esperando a manchete comunitária chegarem a sua mesa, através de um telefone, ou da internet, não é mais aceitável para quem tem um pingo de conhecimento real e vive no meio da comunidade.

Nossa comunidade ganhou massa, estrutura, forma e peso local. Tudo foi sendo construindo aos poucos, e o processo de lapidação desta pedra bruta que somos como comunidade hoje, já começa a ganhar forma e vida própria, e a fincar raízes profundas em solo americano. O brasileiro morador local da grande Boston vai e volta do Brasil com se fosse à esquina. Tem muitos que acordam no Brasil seja em qual estado for e a noite dormem em suas casas em Boston. Quer coisa melhor do que isso? Eu já fiz isso saindo Porto Alegre! Confesso que da uma volta de 180 graus na cabeça.

Sei que tem muitos de nossos conterrâneos que ainda não tem este privilégio, mas muitos e muitos mesmo já têm. Logo, oxalá em breve alguma outra porta de legalidade possa se abrir e muito mais brasileiros possam se legalizar também, e assim nossa comunidade possa consolidar de direito o que de fato ainda muitos não usufruem na sua plenitude, o direito de ir vir sem ser molestados pela ilegalidade.   

A gente chega lá! 

Paulo Monauer
Fotos Divulgação

 

Wednesday, September 12, 2012

Uma Super Festa para 220 pessoas - Feliz Aniversário Serjão


50 anos do Serjão Deassis

Serjão e sua esposa Rose, abrem as portas de sua casa para seus amigos. Serjão, empresário bem conhecido e muito bem relacionado e conceituado na comunidade brasileira de Boston é natural do Rio Grande do Sul, da cidade de Novo Hamburgo, tem uma virtude especial: é um gremista doente. Também é o atual patrono do CTG de Boston. Serjão além de cultivar suas tradições sulistas do Brasil com muito orgulho vive elas na sua integridade do seu dia a dia. De bombacha e sapatilha recebeu seus amigos e convidados neste sábado, 8 setembro em sua casa em Medford, MA para comemorar os seus bem vividos meio século de vida. Mais de 220 pessoas estiveram presentes no evento. Serjão em alto estilo proveu DJ, banda, bufett completo de comidas quentes e frias, bebidas e dois churrasqueiros, um para carnes tradicionais e outro para fazer um churrasco especial. Dois especialistas na arte de assar carnes; Solemar, o rei das picanhas e acompanhamentos no espeto tradicional e o Pedro, churrasqueiro tarimbado do Rio Grande do Sul morador de Boston, especialista em assar churrasco de forma campeira ao estilo rio-grandense, assou durante quase 12hs duas costelas inteiras de boi ao bom e velho estilo sulista para servir aos convidados. Tudo começou às 9hs da manhã de sábado e foi até 5hs da manhã de domingo.

HBN – Comunidade – Paulo Monauer
Fotos Paulo Monauer


50 anos do Serjão, Medford, MA


Pedrão - Peão de Bombacha e Guaiaca
 
12hs para assar uma costela campeira, ao estilo mais rústico de um Churrasqueiro Gaúcho do RGS. Tradição, amor, amizade e cultura, são possíveis se ganhar no decorrer de uma vida, mas  felizardo é aquele homem que já nasce com  todos estes predicados singulares e você é um deles Pedrão. Abraços Gaudério!

Paulo Monauer
Fotos Paulo Monauer

Wednesday, September 5, 2012

Brazilian Day de NY perde as origens gastronômicas


 
O orgulho nacional dos brasileiros fora do Brasil é a festa fantástica que João de Mattos, incorporou, projetou e criou: O Brazilian Day de NY! Depois de alguns anos a TV Globo se incorporou ao evento e o divide palco com o mentor e o legítimo dono autoral da festa até hoje.
Nos últimos anos, na questão gastronômica e venda de quinquilharias brasileiras no dia do evento, através de barraquinhas montadas ao longo da minúscula e tão aconchegante rua ‘Little Brazil’ em Manhattan, caiu por terra.
Antigamente há alguns anos atrás, para os brasileiros montar uma barraquinha na rua no dia do Brazilian Day, era sinônimo de muito trabalho e um dia especial de ‘Toque de Midas’ no orçamento familiar para muitos brasileiros: faturavam muito, e claro se esmeravam muito no trabalho, e o mesmo tempo o brasileiro trabalhador estava ali, na ‘cara do gol’, curtindo junto com o nossa comunidade e se divertindo.
Churrasquinho de ‘gato’ no espeto, linguiça de porco, arroz branco, até feijão, feijoada, carne assada, pasteis, doces, bolos, saladas, cachorro quente em um pãozinho frances, etc. Aquela coisa de culinária brasileira no Brazilian Day morreu. Acabou!
O que vimos neste final de semana na Little Brazil, era barraquinha de árabes, turcos, hispanos, mais hispanos, e um pouco mais de hispanos e indianos, chinês, japonês, japonês, chinês e mais chinês, com suas tendas cheias de novidades ‘paraguaias’ (acho que para eles e quinquilharias made in China) vendendo de tudo um pouco, e claro outras etnias culturais também dominando e ocupando todos os espaços da minúscula e charmosa Little Brazil, do ladinho da Times Square.
O nosso suculento churrasquinho de ‘gato’, virou indústria dos hispanos e vem com ‘barbecue sauce’, sem a farofa, o pastel de vento neste ano foi feito por indianos, o arroz, salada e tudo mais, nada tem cara de comida brasileira. A festa foi e é nossa, mas quem faturou e fatura são eles, outras etnias.
Na verdade o turista que esta passeando por NY e entra na ciranda da festa brasileira, até pode acreditar que o que está se oferecendo ali é a legítima gastronomia brasileira, a festa é brasileira supostamente tudo que é oferecido é de origem brasileira. Na verdade perdemos um pouco a nossa identidade. Não é à toa que em muitos lugares do mundo o brasileiro é confundido com os hispânicos. O Brazilian Day de NY vem contribuindo indiretamente com isso, acho que até sem perceber.
Sabemos que o que conta é faturamento dos espaços, e o que manda mais alto é o dinheiro e esta galera de outras etnias, podem e pagam mais, e ainda levam a vantagem de serem macacos de auditório de qualquer evento que aconteça nas ruas de Manhattan, ou seja, participam com suas barracas em todos os eventos do ano, pois são cadastrados na prefeitura da cidade e tem o calendário anual de eventos da cidade, e já se programam para participar de todos, causando uma mesmice nas barracas. Mas e a nossa culinária onde fica nisto tudo?
Para salvar a honra dos brasileiros tinha uma única barraca com acarajé, vatapá, etc., culinária tipicamente da Bahia, estas receitas a ‘hispanada’ ainda não conseguiu copiar, ainda este ano, quem sabe no ano que vem já tenhamos um vatapá hispano.
Para o nosso consolo, como brasileiros é que a festa ainda continua sendo nossa e esta ninguém leva. Isso inclui como ponto alto do evento os grandes cantores brasileiros, como atração principal, etc.
Abandonando a ‘fome’ e o ‘desejo de comer algo genuinamente brasileiro’ nas barraquinhas de rua no Brazilian Day, tudo no Brazilian Day de NY é lindo, divertido, único e singular no mundo inteiro.  

HBN – Paulo Monauer                                            
Fotos Paulo Monauer
www.hellobrazilnews.com
facebook – Hello Brazil News