Thursday, December 21, 2017

Como acreditar em um advogado em Boston?


Me explica como é está história de para-legal?
          
                Cair nas mãos de um advogado em Boston, às vezes é pior do que cair em uma cela da imigração. Na cela pelo menos você não alimenta ilusões, você convive com um fato: está em cana e pronto! Com um advogado muitas vezes você viaja no mundo das ilusões, das fantasias e paga muito caro. Olha, pelo fato de você pagar caro, ou um preço exorbitante ao advogado, às vezes as pessoas alimentam ilusões, quando confundem o caro com competência e profissionalismo. Às vezes ao contratar um advogado que gosta de cobrar muito, você esta caindo no conto de um vigarista, chantagista, aproveitador, e vagabundo. Olha, aqui em Boston dentro da nossa comunidade que falam a nossa língua portuguesa, tem advogados ‘peças’ deste quilate exercendo a profissão, tipo que vende ilusões e gostam só de dinheiro. Tem uns americanos envolvidos também neste ‘roll’ de profissionais muito ruins, muito ruins mesmo, que gostam de arrotar caviar e, no entanto não valem um tostão furado.
·       O preço
                Cada um tem seu, cada um cobra o seu, não tem limite e às vezes depende da necessidade do cliente é o preço do serviço de um advogado. Se o cliente esta em aperto o preço sensivelmente fica muito alto, inflaciona, em outros casos o preço segue uma linha normal, que já não é barato, não. Na verdade o preço não é fator principal, a eficiência, o profissionalismo, a competência, de um advogado sim, ele não deve ser a de um vendedor. Vendedor tem lábia, vende um produto e dá algo a seu cliente. Um advogado precisa ser profissional capacitado e responsável a ponto de não deixar um cliente na mão, não perder prazos e datas em cortes, ter a dignidade de representar seu cliente com esmero, isso é o que não acontece com alguns que estão no nosso meio. Advogado com muita lábia não funciona, um advogado é feito e reconhecido pela prática, não por lábia. 
·       O BAR
                Serve para denunciar os profissionais ruins na área de advocacia, e lá eles perdem as licenças e a reputação, e depois de denunciados e julgados, muitos deles são condenados viram pó. Somem no ar. BAR é delegacia que aceita denúncias de advogados anti-profissionais, ruins, e esta aberto todos os dias. Hoje tem alguns processos em curso contra alguns advogados que foram denunciados no BAR de Boston (falo denunciados pela nossa comunidade brasileira local). Tem brasileiros e americanos na ‘bola sete’ na profissão, e com mais de 15 clientes que se uniram para denunciar os pilantras do escritório que praticam de uma maneira nada profissional o que se propõem fazer em favor de seus clientes. (BAR todos os estados americanos tem um, serve para balizar os serviços dos advogados e dar a licença para eles trabalharem)
·       Então como confiar em um advogado?
                Aquele que cobra pouco é bom? O que cobra caro é ruim? Ou vice-versa? Não nada disto. Olhe procure se informar, tenha uma base de preço médio de um serviço, para não cair na vigarice. Advogado que NÃO fala com seus clientes regularmente NÃO PRESTA. Aquele advogado onde o cliente liga para falar com ele e sempre é secretária que atende, e você deixa recado ele não retorna, este advogado COM CERTEZA é um forte candidato a ser um dos vigaristas da praça. A coisa anda e daí você descobre que o cara não presta e claro pede seu dinheiro de volta, hum... O tal do advogado percebe que você percebeu que ele é um ‘171’, e quer receber seu dinheiro de volta, e isso vira um parto. BAR nele, denuncie só assim ele vai parar de aplicar golpes em gente frágil como você.
·       E como é está história de para-legal?
                Para-legal em um escritório de advocacia é uma profissão legal. Funciona como assistente do advogado, um para-legal tem conhecimento de leis, e deve ter um diploma de um curso que o qualifica para profissão. Ajuda e muito em dar andamento rápido para casos jurídicos de todas as ordens e inclusive de imigração. Mas como toda a profissão tem também os ‘171’ nestes casos. Verifique se o para-legal é diplomado para exercer a profissão, ou é um agenciador de luxo de um advogado qualquer, que recebe somente por clientes que indicar, mas não é um conhecedor a fundo das causas jurídicas. Se ele tem bom papo e pouca ação, e logo sai de cena e transfere toda a responsabilidade do caso para o advogado. Este para-legal não presta. O para-legal serve para fazer o meio campo entre você e o advogado, é que cuida do seu caso junto com o advogado, fica cuidadoso com datas, cortes, e detalhes que podem te ajudar no processo, a resolver tudo mais rápido, na verdade ele é um intermediário a favor do cliente, em muitos casos é o gerente do escritório que não deixa passar nada em branco, principalmente repetindo, datas e cortes em branco. O para-legal luta pelo cliente, e ele e o advogado formam um time.
                Porém se o para-legal é ruim, o advogado também é. Para-legal que tira o corpo fora do seu caso, quando você faz perguntas NÃO PRESTA. Se cair nesta daí você já sabe, caiu no ‘conto’ dos dois e seu processo não vai pra frente e você vai acabar sendo deportado ou saindo com um ‘puta’ prejuízo no seu processo, neste caso de qualquer ordem jurídica, isso quando você não tem que trocar de advogado para consertar a ‘cacaca’ que seu suposto advogado e para-legal fizeram. 
                Quando você encontra um para legal de qualidade, pode ter certeza que o advogado que ele trabalha é de muito bom nível também.

Dúvidas, perguntas, etc., mande um e-mail para nossa redação: pmonauer@hellobrazilnews.com

Cai a Fastway uma ex-gigante do mercado de mudanças


Vai mandar uma mudança para o Brasil?
                O governo brasileiro permite que o brasileiro que esteja fora do Brasil (no exterior) por mais de um ano comprovadamente, e esta voltando para morar no Brasil, possa levar toda a sua mobília adquirida no exterior, sem pagar as taxas de importação da mobília e eletrônicos de uso pessoal.
                Nesta ‘Vaip’ muitos brasileiros se beneficiaram para levar tudo que adquiriram no exterior e mais um pouquinho, que no caso custaria uma fortuna no Brasil. Tudo isso é legal, até hoje. Basta contratar uma empresa de mudança aqui e mandar tudo para o Brasil.
Qual empresa devo contratar?
                Pesquise entre algumas que estão no mercado qual é melhor na sua avaliação. Tem muitos brasileiros que perderam tudo, mandando por algumas empresas desqualificadas, que prometem o ‘mundo’ na hora de cobrar e pegar a sua mobília, e colocam tudo em um container. Depois todas as empresas de transportes pedem um tempo de no mínimo três meses para que sua mudança cheque ao seu destino no Brasil, afinal vai de barco.
                A grande maioria das famílias que envia seus pertences pessoais que tem quase sempre tem um valor pessoal inestimável fica com uma angustia danada e com mil e um pensamentos: Será que vai chegar direitinho? Vai chegar tudo? Não vão quebrar nada? Etc, etc.
                Olha sempre existe, um tipo de risco. O barco pode afundar. Ou a empresa de mudança que você contratou pode mandar sem você saber no container com a sua mudança outras coisas mais, que não são suas, e que quando chega na alfândega do Brasil, os fiscais vão verificar o conteúdo e descobrem um monte de tralhas que não são suas, são de terceiros, bagulhos que a transportadora colocou de carona junto com a sua mudança, e a coisa trava. Quando cai neste tipo de pente fino no Brasil a coisa complica e você sofre, quando não acontece de você perder tudo.
                Porém calma, a grande maioria das mudanças chegam sem problema no seu destino no Brasil, mas não posso omitir de te alertar do risco. Aqui em Boston temos a www.soexpress.com a www.lidermoving.com que estão ai há anos no mercado que são confiáveis para este tipo de mudança.
                Vale a pena lembrar que a www.soexpress.com é a única empresa de Massachusetts que tem todas as licenças para enviar uma mudança para o Brasil. A empresa www.lidermoving.com manda mudanças para o Brasil sem problemas, mas aluga as licenças com todas a segurança para enviar sua mudança.
                Tivemos anos atrás inúmeros problemas com muitas empresas de mudanças em todo os EUA. Na época abria uma empresa de mudança quase diariamente, e o calote era o alvo dos que se diziam empresários naquela época, por que ficavam impunes, quando eram denunciados.
                Hoje isso não mais acontece, mas se acontecer as cortes americanas são o lugar certo para você buscar seus direitos, caso eles sejam violados, não cortes brasileiras, você esta enviando sua mudança por uma empresa americana, mesmo que os donos são brasileiros isso não quer dizer nada, aqui eles responde pelos prejuízos que possam por ventura ocorrer na sua mudança. E importe você fazer um seguro da sua mudança, isso vai lhe dar uma certa traquilidade.
Envio de volumes para o Brasil
                Volumes não é uma mudança, é uma caixa, isso não é legal enviar para o Brasil. Veja bem, o envio de volumes dos EUA para qualquer lugar do mundo é legal, logo aqui não existe ilegalidade quando uma empresa pega seu volume (caixa) para mandar para o Brasil. Porém quando o volume chega ao território Brasileiro, ou sua caixa, ela é clandestina, pois o Brasil aceita mudança de brasileiros que vivem a mais de um ano no exterior. Um volume ou dois não é uma mudança, é o envio de uma caixa, só isso, mesmo que você more uma eternidade no exterior. Caixa não é mudança, só se for acompanhada de documentação consular brasileira, como é no caso de mudança.
                Apesar do risco conhecido por todos, milhares de brasileiros do mundo inteiro, não só dos EUA mandam volumes por container para o Brasil, através de empresas de mudanças. Ai que mora o perigo, mas ele é consciente pelo ponto de vista de quem envia, neste caso o cliente. Claro que 99% das entregas de volumes chegam ao seu destino no Brasil, porém as vezes a coisa trava na alfândega, e ai complica todo o conteúdo de um contêiner, e começa a luta da transportadora para destravar os problemas, 99% dos casos a coisa se resolve, mas tem 1% que a coisa não anda e ai todos perdem, mas o risco é pequeno, e todo mundo arrisca. 
Cai a Fastway uma ex-gigante do mercado
                Tínhamos uma empresa de Transporte, ou melhor, de mudanças aqui em Massachusetts chamada Fastway, que foi uma das mais confiáveis na época, até cair em desgraça. A queda começou quando descobriram que ela estava mandando inúmeros container de forma irregular para o Brasil. Ela tinha Filiais em NJ, na FL e mais outros estados americanos e sua sede era em Boston. Depois das desgraças e de perder muito dinheiro com cortes pagando indenizações a seus clientes, foi vendida, e sua base passou a ser em NJ. Ela ainda sobrevive, mas com uma credibilidade muito baixa no mercado de envio de container para o Brasil ou para outras partes do mundo. Ela possuía todas as licenças para seu próprio envio, ou seja, fazia sua própria documentação de envio, junto a alfândega aqui nos EUA. Porém nesta última semana recebeu um duro golpe, a US Federal Maritime Commission (FMC) com sede em Washington D.C revogou todas as licenças da Fastway que compreende as empresas Fastway Moving and Storage Inc., Fastway Moving and Services Corp. Depois deste baque a Festway ainda pode enviar mudanças para o Brasil, mas agora terá que alugar as licenças de terceiros, se quiser enviar alguma coisa para outros países inclusive o Brasil. Porém a credibilidade da empresa esta muito em baixa e é um risco muito grande usá-la para qualquer tipo de envio. Cuidado!

Qualquer dúvida ou pergunta sobre esta matéria é só enviar para nossa redação, temos muito conhecimento, experiência e credibilidade por tudo que já publicamos sobre transportes de mudanças para o Brasil, nestes últimos 12 anos. Se tiver dúvidas mande um e-mail para nossa redação você não ficará sem resposta: pmonauer@hellobrazilnews.com   



    

Tuesday, November 7, 2017

Margareth Shepard é a primeira brasileira eleita nos EUA por voto popular

Ela conquistou uma cadeira de vereadora através do voto popular, nesta última terça-feira 7 de novembro de 2017, na cidade mais brasileira dos EUA, Framingham em MA.
  

            Margareth venceu na disputa popular para vereadora com uma vantagem de 133 votos sobre a sua concorrente. Na verdade o total de 587 votos colocaram a Margareth no posto de vereadora da cidade de Framingham por um mandato de dois anos. Parece pouco, afinal são somente 587 votos de uma cidade de mais de 60 mil habitantes, mas como os votos são por zona este numero de 587 é muito relevante e é um fato histórico. Entretanto Framingham teve a sua primeira eleição para prefeito e vereadores da sua vida, antes era um ‘Town’ não uma cidade, que tinha em seu comando um administrador contratado, que se por ventura fosse ruim, podia ser demito a qualquer momento. Isso jamais vai acontecer com Yvonne Spicer que historicamente também se elegeu a primeira prefeita da cidade de Framingham nesta última terça-feira, 7 de novembro.

            Margareth Shepard, filha do seu Manuel, é antiga moradora de Framingham e bem conhecida na comunidade brasileira, sempre esteve envolvida em alguma atuação política, mas seu verdadeiro teste começa agora a partir da sua posse até o final deste mandato de 2 anos, quando ela com certeza vai ser candidata a reeleição. Ela é primeira brasileira eleita para um cargo publico nos EUA, por voto direto.

            Pablo Maia, brasileiro também foi candidato a vereador por Framingham, teve 1583 votos, mas não foi suficiente na zona que concorria, precisa de no mínimo 6 mil votos, não levou, perdeu.

Framingham tem mais de 60 mil habitantes, destes 40.162 estão registrados para votar, porém somente destes 15731 foram as urnas, ou seja, 39% dos votantes. Isso prova que os americanos não curtem votar e não chegados a uma política, a política aqui nos EUA se decide pela minoria que vota. Isso é um fato seja qual for a eleição, vereador, prefeito, deputado, senador ou presidente do país.

            Na cidade de Everett também tivemos dois brasileiros concorrendo ao cargo público de vereador, Stephanie Martins que por muitos era contada como certa sua vitória, bateu na trave e perdeu a eleição.

            Marconi Almeida, funcionário da Procuradoria Pública de MA, concorreu ao cargo de vereador também pela cidade de Everett, porém seu oponente morreu durante a campanha e ele ficou sozinho para faturar a cadeira de vereador da cidade de Everett, uma barbada, porém precisava no mínimo de 20% do total de votos da cidade para se eleger, não levou, e conseguiu uma vitória épica, perder para ele mesmo.

            Em Boston deu o que tinha que dar Marty Walsh se reelegeu com ampla vantagem sobre o seu concorrente e continua no comando da cidade, seguindo os passos do inesquecível Prefeito Menino. Walsh tem tudo para se perpetuar na cadeira de prefeito como Menino, mas o tempo vai provar isso.

Semana de eleição em Boston! A mesmice da política local na nossa comunidade.


                Estamos em uma fase aqui em Boston de que não queremos mais as mesmas coisas, as mesmas pessoas, os mesmo líderes locais da comunidade, não queremos insistir na mesmice, sem resultados maiores. Tem ONGs brasileiras demais em Boston, no passado elas eram salvadoras da pátria, se diziam o único caminho para os brasileiros obterem ajuda. Enquanto elas ajudavam alguns brasileiros, se aproveitavam do fato ‘ajuda’ e buscavam e buscam até hoje fortunas em “Grants” doações de terceiros (grandes empresas, governo, etc.), sem o compromisso de devolução deste dinheiro, e usam a comunidade como motivo de que precisam verbas, dizem que nossa comunidade é carente, etc. O papel aceita tudo, e tem muita gente neste ramo faturando alto, muito alto, e vendem uma idéia de pobreza e dificuldade, porém nunca abrem suas contas para mostrar os seus balanços, salvo o MAPS que é um ‘oásis bom, limpo, claro e transparente’ neste mundo das ONGs aqui em Boston. Há pouco tempo atrás fiz uma matéria onde uma executiva de uma ONG local antiga em Boston, fez em um ano mais de 12 viagens, nacionais e internacionais, incluindo idas para o Brasil, Salvador, Rio de Janeiro, Paris, etc. Como uma executiva de ONG tem tanto dinheiro e tempo disponível para fazer mais de 12 viagens ao ano, com inúmeras fotos nas redes sociais. Como explicar? Ganha muito, ou tem tempo de sobra para usufruir das doações que recebe na ONG, ou o seu salário e tão bom, e não necessita trabalhar muito. E a comunidade como fica? E a ONG como fica? Se engana quem quiser, mas tem coisas difíceis de engolir. E tem gente que idolatra este tipo de gente. Outro dia vi uma propaganda desta mesma ONG, ela estava comemorando uma doação de $100 ou $150 mil dólares que recebeu de uma único doador de Grants. Ual! Vamos viajar?

                Nossa comunidade tem vários ativistas locais, que se dizem pessoas preocupadas com a comunidade. Balela a grande maioria destas personalidades chamadas de ativistas (poucos se salvam), não saem do seu casulo, não conhecem a comunidade, não andam no meio da comunidade mensalmente, semanalmente, e muito menos diariamente e se dizem profundo conhecedores da comunidade brasileira. Tem personalidades que viraram ícones na comunidade, figurões sem nenhum resultado prático.

                Tem alguns que porque trabalham para americanos, como na prefeitura de Boston, Procuradoria do Estado, ou escreveram um livro ou dois sobre perfil da comunidade se acham grandes e intocáveis. Todos usaram a comunidade como amuleto para chegar a este patamar. Já escrevi contando a história de como um homem de Boston que tinhas uns rascunhos que chamava de pesquisa, e teve seu primeiro livro publicado no Press Ward, na Flórida. Um livro que a gente lá no sul chama carinhosamente que foi feito ‘nas coxas’, redigido e impresso ‘nas coxas’, e o livro pegou, por que nem todo mundo conhece a verdade dos fatos. Tem outros ativistas, que ciscam, ciscam e não vão a lugar nenhum, querem os holofotes, até ai tudo normal. O que esperar desta gente?

                Há alguns anos atrás uma pessoa que se diz influente na política de Boston, deu uma palestrar para meia dúzia de gatos pingados da comunidade brasileira, e eu estava lá. A palestra é era para ensinar como se consegue ganhar a simpatia de um político para nossas causas da comunidade em Boston. Resumindo o palestrante disse o seguinte: Leva um cheque para o político, e uma lista de reivindicações da comunidade, e diz; ‘Doamos este dinheiro para o senhor (candidato,  e não adianta chegar com mixaria, tem que ser de $30 mil para cima), se o senhor se comprometer em atender nossas reivindicações da comunidade se for eleito. E ele enfatizou, o palestrante: ‘Este é único caminho para nossa comunidade na política’. Achei um absurdo! Ele queria que comprássemos o comprometimento do político, e disse que é assim que a política funciona aqui em Boston. Isso quer dizer que se tivermos $1milhão de dólares para colocar em um candidato vamos ter tudo dele. Eu acho que o Brasil não saiu do corpo do palestrante! Tendo eu mais de 17 anos em Boston, destes 15 ‘estando como jornalista’ não vi está técnica funcionar.   

                Resumindo, esta gente brasileira que entende de política aqui em Boston diz que os Democratas são o melhor partido para os imigrantes. Eles brasileiros influentes de Boston se grudam com os candidatos Democratas, e dizem ter influencia na comunidade e vão introduzi-los os americanos na comunidade brasileira para que eles apóiem este candidato e com isso vão ganhar vantagens pessoais ou para suas ONGs depois de o candidato se for eleito. Olha Massachusetts há mais de 15 anos tem mais de 90% dos políticos estaduais, senadores e deputados, todos Democratas. Eles podem aprovam o que quiserem. Os políticos eleitos Republicanos na ativa em Massachusetts representam menos de 10% da casa. Olha, os democratas de Boston nunca fizeram nada pelos imigrantes indocumentados, até hoje os indocumentados não podem dirigir em Massachusetts e em mais de 10 estados dos EUA isso é possível hoje. Logo podemos definir que nossas ONGs, nossos ativistas nada fazem de funcional para nossa comunidade, se temos alguns privilégios governamentais não foram eles (brasileiros influentes) que conseguiram, mas sim as outras comunidades de imigrantes que conseguiram, e nos entramos de carona nesta história, nunca protagonistas de conquistas políticas locais.

                Olha, hoje estão aparecendo novas personagens políticas na nossa comunidade, muitas delas concorrem em cargos públicos como vereador e prefeito em algumas cidades.

                Vamos abandonar esta turma do passado que se diz protagonista em prol da comunidade e vamos apoiar esta gente nova que esta chegando, por que se continuarmos a insistir com estas ONGs e ativistas do passado daqui há 20 anos vamos estar no mesmo lugar de hoje, ou seja, em lugar nenhum em Massachusetts e vamos continuar pegando carona em outras etnias ilegais para termos algumas poucas vantagens para a nossa população brasileira ilegal de Boston.


Monday, October 23, 2017

Ainda, Bolsonaro em Boston!

Paulo Monauer

            Nunca fui um fã de Bolsonaro, eu nem sabia quem era o cara. A única coisa que sabia era o que a mídia do Brasil falava sobre ele. E não era, e ainda não são coisas boas até hoje. O pessoal solta o verbo; Ex-militar, capitão do exército, machista, durão, viveu na ditadura, ele é a favor da população ter o direito de se defender com armas uma vez que não existe policia no Brasil, quer mandar os bandidos para cadeia, mas se eles reagirem ele aprova mandar balas nos bandidos, ‘antes eles do que eu’ , fala ele, e por ai vai.

            Eu vive na ditadura também, conheço o esquema, de quando os generais mandavam no Brasil. Sei que a coisa não é fácil e não foi fácil, mas também não era tão complicada assim, eu estava lá. Desde criança cantava no coral da minha escola em Porto Alegre, o famoso colégio Roque Gonzales que depois passou e se chamar Medianeira, os dois se fundiram, cada um era de um lado da linda igreja São José, dirigidos por padres e freiras, na frente do melhor hotel da cidade naquela época, o cinco estrelas, Plaza São Rafael, na Av. Alberto Bins bem no centro da cidade. Por eu cantar no coral da escola algumas vezes que tinha missas na catedral da cidade onde tinha a presença do Presidente da República, o coral do colégio era convidado para fazer uma presença. E adivinha? Eu estava lá. Por isso cantei para alguns presidentes do Brasil como o General Emilio Medice, General Ernesto Gaisel entre outros, os caras estavam ali bem do meu lado na igreja. Eu era uma criança, mas me lembro bem destes momentos. E a ditadura militar no Brasil terminou em 1985, e nesta época eu já tinha 26 anos.

            Acho que o Brasil viveu e vive muitas injustiças que não foram quitadas. Na época dos generais e na época de hoje também. Olhar para o Brasil de hoje onde tem mais de 600 políticos em Brasília, onde o que ganha menos ganha R$146 mil reais por mês, e mais de R$2 milhões reais por ano, o difícil hoje é ver um destes famigerados políticos encher a boca e dizer; ‘eu não sou ladrão’, ‘eu nunca roubei nos meus mandatos’ , ‘não faço leis para meu beneficio pessoal, e sim para o povo brasileiro’, ‘se tiver que roubar largo o cargo’, e por ai vai.

            Olha quem destes mais de 600 políticos de Brasília pode encher a boca para falar isso? Muito poucos, pouquíssimos para dizer a verdade, e um deles acredite se quiser é o Bolsonaro. ‘Não preciso roubar, vivo bem com meu salário’, ‘o Brasil precisa de gente que tenha uma formação de caráter de berço’, ‘o Brasil da lei de Gerson precisa acabar’ diz Bolsonaro.

            Olha o Bolsonaro esta há 28 anos com mandatos consecutivos de político, se elegendo com voto popular, e não conseguem dizer hoje que este homem roubou, participou de conchavos para levar vantagem financeira, durante estes 28 anos. Vamos devagar! Não roubar não é uma virtude, e sim uma obrigação do mandato, mas na atual conjuntura, não roubar virou predicado de qualidade.  Olha se existe alguém liso que nem ele no Brasil e é candidato a presidente do Brasil vamos a luta, e vamos respeitar a concorrência, mas meter o pau por meter o pau no homem (Bolsonaro) só por ele é militar, e por que o cara é durão, é no mínimo insano. Vamos conversar, apresenta um concorrente e vamos nesta. Mas não vem com o tal de Lula que este é uma ofensa, o Lula esta livre da cadeia de favor, já foi condenado pela justiça e responde uma chuva de processos, este pode se dizer com todas as letras por que já foi condenado: ‘É um ladrão’. Quem serão os concorrentes com o Bolsanaro para presidente? Um já se apresentou, o Doria prefeito de São Paulo. Hum será que dá giro? O negócio é no ano que vem, mas já começou a pegar fogo.

                                                                          

Dário Galvão, Júlio Morais e Sergio DeAssis os marqueteiros de primeira em Boston!

Os bastidores da visita de Jair Bolsonaro à Boston

Rosana Lopes

"Imaginaria que o evento reuniria uma grande quantidade de pessoas e nos empenhamos, eu, meu sócio Júlio, bem como o tesoureiro Sérgio DeAssis, para que a passagem do candidato à Presidência do Brasil para 2018, o Deputado Federal pelo Rio de Janeiro, Jair Bolsonaro fosse um sucesso", declarou o Juiz de Paz, Notório Público pelo Estado de MA e fundador Public Administration Institute (P.A.I), uma Organização Não Governamental fundada em 2001, pelos empresários brasileiros Júlio Morais e Dário Galvão, uma ONG que, há 7 anos, trabalha por e para a comunidade brasileira aqui nos EUA. O que ele não podia imaginar é que os números retratassem a importância do evento de forma generalizada. A maioria das mídias locais e até do Brasil publicaram a visita do candidato à Boston. A visita de Bolsonaro aos EUA durou 8 dias, com passagem pelos Estados da Flórida, Massachusetts, Nova York e Washington D.C. Mas, a visita à capital de MA, sem dúvida, reuniu um maior número de pessoas. Ao todo foram dois dias, em que o presidenciável pode se reunir com quase 1000 pessoas. Dário conta que, quando postou em suas redes sociais, que a ONG seria a responsável por trazê-lo à Boston o feedback foi imediato, mas, ele não imaginou que receberia também a ajuda voluntária de pessoas de diversos segmentos. E, pode se dizer que, Dário tem uma longa bagagem de experiência na área política e, em receber políticos brasileiros nos EUA. Dário foi o responsável por trazer para cá duas grandes Comissões. Em 2010 a de Direitos Humanos e em 2017 a de Relações Exteriores. Mas, ainda assim se viu surpreso. "Desde que recebi o telefonema do e Eduardo Bolsonaro, um dos filhos de Jair e também (deputado federal de São Paulo pelo PSC),tive apenas um mês para organizar dois eventos. Um jantar para 150 pessoas no Restaurante Oliveira's (Everett) e um mini comício no Clube Lido de Revere cujo público ainda não podia se imaginar", conta Dario. Com a ajuda da Equipe da ONG e de voluntários que foram surgindo de todos os "cantos", ele pode organizar a vinda de Bolsanaro sob todos os pontos de vista: financeiro, administrativo, o de infra-estrutura etc. O resultado? Dois grandes eventos, com direito a uma limusine para buscar Jair, jantar para 150 pessoas assentadas, show com banda ao vivo, voz e violão, toda a imprensa local e um público inesperado, mesmo para os mais otimistas. “Na verdade um mini comício", relatou Dario.

·       Dário – UM POLITICO NATO

“A minha relação com a política começou ainda na infância. Acho que herdei de uma tia paterna o gosto. Aos 10 anos tenho nítida lembrança de distribuir panfletos, para ganhar um dinheirinho, mas também já gostava da movimentação”, relembra Dario. Ele também diz te sido um jovem militante. A consolidação veio com a participação na campanha política do Deputado Estadual Manoel Ferreira, com quem trabalhou por 5 anos. Se no Brasil, o que ele chamava de hobby virou profissão, nos EUA ele continua atuando na área. Mantém uma empresa de consultoria política aqui como profissão e como paixão mantém a ONG. Segundo Dário os Estados Unidos são “o olho do mundo”, daqui absorvo conhecimento nas áreas públicas da saúde, educação etc. e auxilio políticos brasileiros em projetos viáveis para o Brasil.

·       Pretensões políticas?

 Dário diz que não tem. Embora, não descarte nenhuma possibilidade. Hoje, se define como um apaixonado por política. Filantropicamente, a ONG me permite ajudar pessoas, de forma mais direta, e, profissionalmente posso auxiliar políticos a também, trazer e apresentar o melhor das opções políticas para os seus eleitores aqui em Boston.


“Seu sonho nossa missão” esta é a meta do Real Estate, Cristiano Jarbas!

Rosana Lopes

            No Brasil ou nos EUA, o sonho de ter uma casa própria faz parte da cultura da maioria dos brasileiros. Se no país de origem esse sonho parece distante, imagina em outro. Por incrível que pareça, seja em terras tupiniquins ou aqui, mais importante do que ter o dinheiro é, sem dúvida, ter um profissional para acompanhar e assessorar todo o processo. Da escolha à compra, vamos combinar que são inúmeros passos. E quando o profissional que você precisa, além de todo o licenciamento necessário, os anos de experiência no mercado é brasileiro, aí realmente não falta mais nada. É só mesmo tornar o sonho em realidade. O profissional a que me refiro, já bastante conhecido na comunidade brasileira, Cristiano Jarbas – sócio proprietário do americano James White na Cristiano Jarbas Real Estate, há 7 anos se dedica à compra e venda de imóveis, uma paixão que nutre desde o Brasil. Cristiano nasceu no Ceará, aos 4 anos se mudou para Governador Valadares (MG), mas foi na Bahia, em Porto Seguro, que tudo começou. Explico, em Valadares Cristiano trabalhou, durante alguns anos, no Diário do Rio Doce, um jornal conhecido na cidade, como representante comercial gráfico. Ele conta que trabalhar com Marketing sempre foi também uma paixão. Quis o destino, que um dia, em uma viagem de turismo a Porto Seguro, ele visitasse um cliente do jornal. Por lá mesmo ele ficou, o então cliente o convidou para trabalhar no departamento comercial em uma Imobiliária. Cristiano diz aí ter se encontrado. De 1999 a 2000 alí ele viveu e aprendeu tudo que podia sobre o segmento. A vinda para o EUA? Também por acaso. Ele conta que, naquela época, já praticava Mountain Bike. Por coincidência ou destino foi tentar o visto americano vestido com camisa regata sem nenhuma pretensão. Conseguiu o visto, veio passear com a intenção de ficar uns 5 meses e hoje já está a quase 17 anos. Em 2004, empreendedor nato, e com MKT nas veias Cristiano criou a Vision TV, uma espécie de canal fechado que veiculava propagandas locais em televisões afixadas em padarias e locais brasileiros de grande fluxo. Um negócio rentável, que por muito tempo abasteceu o tino comercial e fez o lado do MKT de Cristiano se exercitar.
            No âmbito pessoal construiu família. Trouxe a primogênita do Brasil, casou-se, teve mais dois filhos e se tornou Campeão de Mountain Bike 2016/2017.  Com a crise, em 2007, o comércio caiu e, consequentemente, um dos primeiros itens a ser cortado das empresas foram as propagandas. Foi ai que um amigo, ciente do conhecimento de Cristiano sugeriu que ele atuasse no segmento imobiliário. Determinado, e com, uma boa dose de sorte, Cristiano se uniu a profissionais certos com a mesma filosofia dele. E, na sequência, tratou de se profissionalizar fez então todos os cursos necessários para obter a certificação para atuar como Real Estate. Se ele teve sorte ao se unir ao sócio James White, hoje o quadro se completa com os colegas: Alex Nunes, Yolanda Djom e Carla Bastos. Pessoas, mais do que simples profissionais que, assim como o fundador Cristiano Jarbas levam ao ‘pé da letra’ o slogan da empresa: “Seu sonho, nossa missão”. 


SERVIÇO:

530 Boston Poston Rd.

Marborough, MA 01752

(617) 294-3844

info@cristianojarbas.com




Andréa Taveira - O nome que está na mão das Mulheres de Bom Gosto

Rosana Lopes

            Alguma vez você já se perguntou, enquanto escolhia o esmalte ou fazia as unhas, quem foi a primeira pessoa que teve a idéia de embelezar a ponta dos dedos, em busca de um visual mais incrementado? Hoje, a resposta é fácil, a empresária e Nail's Designer Andréa Taveira responde pelas unhas mais fashions da região de Boston. Mas, esse gosto por colorir as unhas começa lá pela antiguidade a mais de 3200 a.C. Os homens da realeza tingiam as unhas com tons de preto, enquanto os tons de vermelho eram destinados somente as mulheres mais belas e ponderosas de seu tempo, como Cleópatra e Neferetiti. Nos dois casos, o cuidado com as unhas era símbolo de status e nobreza, e sinalizava lugar privilegiado na sociedade. Hoje, assim como naquela época, ter as unhas da moda virou sinônimo de status. Foi-se o tempo, que cobrir de esmalte era o suficiente. Assim, pessoas antenadas e empreendedoras como a mineira, Andréa Taveira, tem ganhado espaço neste segmento.
·       A  história nas mãos, ou melhor, nas unhas!
            Mais tarde, em 1930, pintar as unhas das mãos e pés virou hábito entre as estrelas do cinema Hollywoodiano. Daí, foi um salto para todas as mulheres se apaixonarem pelos esmaltes. Hoje, a decoração das unhas hoje não se limita aos esmaltes: pedras preciosas, strass, piercings, desenhos, adesivos, francesinhas, inglesinhas, esmaltes 3D, craquelados, holográficos e muitos mais. As possibilidades para enfeitar as unhas são quase infinitas. Neste cenário, surge então a Nail's Designer, ou designer de unhas, onde as naturais deixam de ser pequenas, para adquirirem os mais diversos tamanhos e formas, indo muito mais além que os cuidados de uma manicure regular. E aí, a empreendedora Andréa Taveira vislumbrou no mercado uma “brecha” promissora. Andréa, nasceu em Belo Horizonte, com formação em Bacharelado e Pós-graduação em Administração de Empresas, chegou aos EUA há apenas um ano e meio.  Fascinada por exatas, se tornou conhecida e querida por toda comunidade brasileira, por seu profissionalismo e carinho. Atualmente, ela se divide entre a Gerência de uma loja Brasileira e a paixão pela a nova profissão. O bom gosto e o talento com as mãos sempre foi uma marca de Andréa. Já na adolescência, por várias vezes se viu maquiando ou enfeitando amigas, primas e familiares. Na faculdade, obteve influência das amigas com as mesmas paixões pelo mundo da beleza e moda, como as blogueiras renomadas Mônica Rosa e Cidah Campos. Determinada, Andréa arregaçou as mangas e tratou de se profissionalizar. Obstinada, fez diversos Cursos e WorkShops de Nail's Designer, com pessoas de renome aqui nos EUA, entre suas favoritas, a Nail's Designer Michelle Santos e o Curso Profissionalizante do Flávia Leal Beauty Institute, onde obteve  conhecimento e licenciamento necessários para atender suas clientes. De lá para cá, um universo se abriu, pois o mercado de produtos femininos, possui uma quantidade enorme de variedades e tecnologia futurista. Assim, Andréa abusa do seu bom gosto e feeling e diz que a internet tem sido uma fonte de inspiração constante. Andrea conta que um mundo fascinante e histórico, está nas unhas. Segundo ela nas unhas de cada mulher a beleza e a cultura se mesclam em charme e sofisticação. “Procuro na ponta dos dedos de cada cliente imprimir minha assinatura com produtos de qualidade e tudo de mais moderno que uma Nail's Designer pode proporcionar a uma mulher!”, filosofa Andréa Taveira. Difícil é saber onde a indústria da beleza vai chegar para deixar-nos loucas por novos lançamentos de produtos para as unhas, da saúde a estética!

Studio Andréa Taveira
Nail's Designer
Tel: (857) 312-0319
Instagram: @andreataveiranail
E-mail: andreataveira@hotmail.com


Wednesday, October 11, 2017

Bolsonaro, o presidenciável para 2018, conquista a comunidade de Boston!


Foto Paulo Monauer

                O paulista Jair Messias Bolsonaro se fez na carreira política pelo estado do Rio de janeiro.  Hoje é deputado federal. Em 28 anos de vida pública, desde 1989 até hoje 2017, já trocou de partidos 7 vezes de acordo seus interesses ou alianças partidárias. Atualmente pertence ao PP. Seu salário hoje chega à casa do $146.322,55 mil reais por mês como deputado federal, recebe 15 salários em um ano, isso dá um total de $2,194.830 milhões de reais por ano. Tem mil e um privilégios, e faz parte de uma classe de políticos brasileiros que ganha destaque no mundo, uma vez que o Brasil é segundo país em um universo de 110 países do mundo que mais gasta dinheiro para sustentar e pagar os salários dos seus políticos (pesquisa da ONU em 2013), talvez hoje em 2017 tenha alcançado o topo da lista e esteja em primeiro lugar.
                Porém ele, Bolsonaro tem a vida publica limpa aos olhos dos escândalos da lava jato, ou de qualquer corrupção. Ele se diz um homem honesto e feliz como o seu salário e que não precisa roubar do país para enriquecer. Se for eleito promete não viver de conchavos com políticos e partidos, mas admite que vai precisar de alianças como os políticos para levar a frente seus projetos.
·        O que Jair Bolsonaro veio fazer em Boston?
                Primeiramente se auto-afirmar como futuro candidato a presidência da republica do Brasil. Porém o numero de votantes brasileiros aqui é de uma minoria, não elege ninguém. Mas de certa forma vir para os EUA da uma moral para campanha. Ele já esteve em Israel como pré-canditado também e lá tem muito menos votantes que aqui. Ele é um político que não tem vinculo com ninguém, a priori, vem de uma carreira militar. Ele também  é visto por muitos como um encrenqueiro, barriga fria, polêmico e machista, etc, e por ai vai. Porém ele como todo bom político é convincente ao falar, e quando fala do Brasil, de suas idéias para um Brasil melhor, estes mitos ficam de certa forma para traz. Ele é bom com as palavras, não faz rodeios e faz afirmações do tipo de um eleitor quer ouvir. Em suas palestras e entrevistas por nossa região de Massachusetts, elogiou e muito os princípios patrióticos do povo americano.  Elogiou os EUA por um todo. Elogiou como as leis são cumpridas a risca aqui nos EUA, coisa que no Brasil não existe. E falou se o Brasil fosse um país sério e bom nós imigrantes brasileiros não teríamos vindo para os EUA tentar a sorte, se estamos aqui, é por que o Brasil não presta no momento.

‘O pré-candidato ao cargo máximo do Brasil para o 2018 por onde passou em Massachusetts, rasgou simpatia, mostrou um grande censo de humor, vendeu confiança e credibilidade, e o melhor, resgatou a esperança dos brasileiros que querem ver um Brasil melhor. A todo momento em qualquer grau de pergunta, falava com conhecimento de causa. Prometeu honestidade em primeiro lugar, e o resto vai tentar fazer o seu melhor, mas afirma: ‘Não vou roubar, vivo muito bem com o meu salário’!’

                Bolsonaro é uma boa opção entre os políticos atuais do Brasil para ocupar a função mais alta do Brasil, como presidente da republica. Questionado pelos reportes falou que talvez nos seus mistérios se for eleito vai existir alguns militares sim, e agregou a sua resposta, que se tiver mulheres capacitadas também vão ocupar seus mistérios também.
                A idéia que ele passa para quem o acompanha, que ele não sabe se vai dar certo, ou se vai conseguir  resolver todos os problemas do Brasil, em todas as áreas, mas que ele vai tentar fazer o Brasil um pais melhor sim, sem roubo ou falcatrua no seu governo.
                Minha impressão ao ouvi-lo falar é que de alguma forma nasce dentro de mim uma esperança de Brasil diferente no seu governo, para melhor, se ele for eleito, mas ao mesmo tempo ele me lembra o Collor de Mello na sua campanha, chegou do nada como uma novidade, ganhou a simpatia do povo, ganhou a eleição e deu o que deu. Com o Bolsonaro, não se sabe no que vai dar, só se pagando para ver o que vai dar. Mas que o cara é bom é!


A perversão feminina diante da fragilidade masculina

Não sou machista, e nunca serei, mas tenho que escrever sobre isso, não tenho como me calar. Deixe-me começar por uma história recente aqui da nossa comunidade de Boston. Há algumas semanas atrás houve uma festinha na casa de algum brasileiro da região de Boston, na verdade têm muitas festinhas privadas todos os fins de semana aqui na comunidade brasileira local. Um aniversário aqui, um churrasquinho maneiro lá e assim vai. Tudo normal. Porém em uma destas festinhas na casa de alguém, a noite, um rapaz de 20 e poucos anos bem apresentável conheceu uma garota bonita e bem apresentável também, e ali começaram uma conversação, rolou uma cerveja aqui outra ali, mas ninguém ficou bêbado a ponto de perder a cabeça. Rolou um clima entre os dois, houve consentimento e reciprocidade de ambos, a coisa esquentou e teve um sexo consensual. Uma semana depois o pai desta menina brasileira descobriu que a menina tinha se envolvido com um rapaz em uma festinha e teve sexo com ele. O pai foi na policia e denunciou o jovem rapaz. A filha deste homem tinha somente 14 anos. O rapaz ficou atônito perdido ao saber que a policia estava atrás dele, por causa do ocorrido, e ficou pior ainda ao saber a idade da menina que julgava ter muito mais que 21 anos pela sua estrutura física, etc.. A principio o rapaz se escondeu, ficou com medo, o que é normal neste caso, mas depois de uma semana se entregou a policia, ele esta preso, com uma fiança absurda.
Repetindo, a menina de 14 anos é bonita, tem corpo de mulher, e estava na festa se divertindo e bebendo também. Não estava bêbeda, o que aconteceu entre os dois foi consensual e ambos se aceitaram, mas em nenhum momento o rapaz imaginou que a menina tinha somente 14 anos. Hoje em dia tem mulheres de até menos idade que desenvolvem uma estrutura física de mulher adulta que ninguém desconfia ser de menor ao olhar..
O rapaz vai a julgamento e com certeza vai ser deportado, o que pode acontecer de melhor é o que sempre os advogados recomendam nestes casos; é um acordo, acordo este que sempre vem com aquela história; confesse o crime, reduzimos a pena e no final dela você será deportado.
O rapaz cheio de sonhos para o futuro aqui nos EUA e para com a família, que está lá no Brasil, caiu em uma ‘bobeira’, se assim podemos chamar este caso. O seu futuro aqui na América acabou. Psicologicamente está liquidado, e sua vida do nada virou um inferno e este inferno pode ser longo com alguns anos de reclusão.
E você me pergunta; E a menina de 14 anos? Esta de boa. E ainda vai ser orientada a pegar documento se é ilegal, e se for, vai ganhar o ‘Green Card’ facinho, facinho.  Ela é menor de idade e ele jamais poderia ter tido sexo com ela. Ok digo eu. Mas ela esta ai, amanhã depois vai a outra festa, e tudo pode se repetir, e será que o pai vai novamente a policia? Contudo neste caso  especifico vale a pena frisar; ela gostou do rapaz, o sexo foi consensual, permissivo, logo o termo ‘estupro de menor’ é o único titulo que não cabe a este rapaz, porém a mídia local brasileira assim o definiu; “estuprador de menor”.
Um amigo meu me disse o seguinte quando estávamos comentando este caso esta semana; “Se você conhecer uma garota em uma festa ou em qualquer lugar, antes de qualquer coisa pesa para ver um documento dela”. “Se tiver sexo com ela ache uma ou duas testemunhas para depor a seu favor antes do ato, etc., etc”.  “Se possível filme para provar que não nada foi forçado”. Parece bobeira, mas a coisa esta feia. Quem vai se submeter a uma situação destas? Mas por incrível que pareça este é o único meio em ‘parte’ de você se ‘livrar’ de uma situação absurda de parar na cadeia por causa dela, e mesmo assim tudo isso pode não adiantar nada.
Por outro lado já vi inúmeros casos de mulheres brasileiras aqui em Boston, e já não estou mais falando de menores de idade, se autoflagelarem, a ponto de deixar marcas profundas em seus corpos, chegam ao absurdo de se cortarem, e depois vão a policia denunciar seus maridos, amantes ou companheiros como se fossem os autores das agressões. A polícia na hora vai lá e prende o individuo, coloca atrás das grades, a mulher vai para o corpo e delito, entra no esquema de ‘violência doméstica’, e logo ali na frente aplica para o ‘Green Card’ e pronto o caminho para legalização está aberto e ela vai ter um final feliz, e depois de 2 anos de processo, estará legal aqui nos EUA. E o homem? O tal companheiro dela? O ‘trouxa’ que caiu direitinho e foi usado nesta história, acaba na cadeia, condenado e deportado e com a vida desgraçada.
Não estou inventado nada, isto esta virando um processo corriqueiro na comunidade de Boston, e eu sou testemunha de inúmeros casos destes como repórter.
Ainda existe aquela situação de um homem adulto encontrar uma mulher adulta e ambos se conhecerem terem um ‘afer’ consensual e por alguma razão depois de terem uma noite de envolvimento mutuo a mulher se decepciona com o homem  por alguma razão qualquer e decide ir a policia e dizer; ‘ele a estuprou, eu disse não para ele, mas mesmo assim ele me agarrou a força’.   A reação da policia é sempre é mesma, vai lá prende o homem, o juiz coloca a fiança lá em cima o cara vai para cadeia. Neste caso provar a inocência do homem é um parto, às vezes rola, mas na maioria das vezes não, como de costume, ele acaba fazendo um acordo por insistência do seu advogado, e ferrando sua vida para sempre, e como é brasileiro ilegal no final da história acaba deportado.
Eu acredito em casos de violência domestica, e eles já existiram e existem por aqui na nossa comunidade com abundancia, mas estes na verdade são acompanhados de muito terror, em razão do homem ser violento ( e nem vamos falar nos casos de violência domestica da mulher contra o homem). A submissão da mulher nestes casos mais violentos, ou para chegar ao ponto de ela ter ‘coragem’ de fazer uma denuncia, normalmente acontece quando ela já extrapolou a questão do entendimento e ela não suporta mais o companheiro, logo, o fato não vem de uma só acompanhada de uma denuncia, pois muitas vezes a mulher gosta do homem e só quer que ele a trate com mais respeito. Porém casos destes (reais, verdadeiros) estão ficando cada vez mais raros e os casos de ‘pegadinha’ ou revanchismo da mulher perante o homem por esta ou aquela razão com objetivo de ganhar um documento vem em um acumulo crescente nas cortes de imigração em Boston. Olha, quem adora tudo isso são os advogados que a primeira coisa que dizem para as mulheres que supostamente são vítimas; ‘vamos colocar este sem vergonha na cadeia e seu social vai chegar em 3 ou 4 meses depois que eu abrir o processo para você’, tudo regado a muito dinheiro, pois não existem advogados baratos neste caso.
Não sou machista, como disse anteriormente, mas existe uma desigualdade social em muitos destes casos que favorecem as mulheres, pelas circunstâncias das leis americanas. Porém, quando a policia vai desmascara uma mulher sem vergonha que apronta para um homem, honesto e trabalhador? Quando? Quando uma delas vai cair do cavalo? Quando uma delas for presa e pega neste golpe ‘antigo’ e que funciona aos olhos da lei americana e que já legalizou milhares de mulheres golpistas, daí sim talvez muitas delas comecem a repensar bem no seu autoflagelo, pois o feitiço pode virar contra o feiticeiro. Mas isso esta longe de acontecer, contudo fica aqui minha torcida, antes tarde do que nunca.
Enquanto isso como disse no inicio, a perversão feminina esta em alta diante da fragilidade masculina. No momento fica o alerta; homens tomem cuidado, a bruxa esta solta!
Em tempo: Estes tipos de mulheres golpistas não representam nem 1% das mulheres da nossa comunidade brasileira de Boston hoje, logo este texto se refere a um numero muito pequeno de mulheres desonestas, mas que existem, e precisam ser denunciadas quando forem pegas nestes golpes, porém a grande maioria das mulheres brasileiras por aqui, são tremendamente honestas e integras e de grande valor e merecem o meu respeito sem exceção.




Morte sai prá lá!

Não gosto de pensar nisto, mas não me nego o risco eminente de morrer sem um aviso prévio. O ditado não ajuda e passa batido no meu pensamento; ‘Para morrer basta estar vivo’. Este ditado soa para mim como algo muito trivial e imparcial, parece uma coisa mecânica. Às vezes penso na morte como uma coisa de terror. Sinto que o obvio vai acontecer e não me sinto confortável em vida pensando nisto: Vão me colocar em caixão, vão me enterrar, vão me queimar, etc. Pensar que vão fazer isso comigo enquanto ainda estou vivo, me assusta. Na verdade meu coração e mente se acalma quando penso que quando isso acontecer supostamente ou de fato, vou estar morto, e nenhuma destas sensações de terror e medo vão me afligir naquele momento do dito tal sepultamento.         
No sou paranóico, não penso isso sempre, preciso de uma motivação ou tragédia para relembrar minha mente desta situação que um dia com certeza vai ser a minha. Às vezes nas minhas loucuras destes pensamentos macabros fico tentando achar alternativas e acho que gostaria de ser enterrado em lugar onde eu tivesse a liberdade de sair, caso acordasse e ai teria descoberto que não havia morrido. Selar um morto a morte, colocando ele a sete palmos debaixo da terra ou selando sua sepultura ou gaveta com cimento, ou mesmo queimando o corpo, me parece tétrico. 
Na verdade já viajei nestes pensamentos da morte, algumas vezes nestes 58 anos que tenho de vida. Vive bastante já. Tem gente que vai embora bem rapidinho ou mais cedo do que o tempo que já vivi. Meu plano de vida pessoal é chegar aos 100 anos, de boa. Logo me sinto jovem, estou na metade do caminho. Tenho saúde, força, animo trabalho, alegria, sonhos, motivações e ambições. To cheio de motivos para viver e viver muito. Oxalá eu viva até Cristo voltar e em um piscar de olhos eu possa passar pela morte, logo esta história de funeral, tumulo, etc., no meu caso passaria batido por ela.
Poucos meses atrás fui em casamento de família na Flórida, cheguei com algumas dores na cabeça, nada de especial, pouco tempo depois o mundo mudou. Eu não me lembro de nada, mas  minha família diz que eu brigava com os médicos, que eu tinha nada, e que estava bem. Fizeram uma exame na minha cabeça e verificaram que estava com uma hemorragia dentro da cabeça, com origem desconhecida.
De pronto informaram a minha família que eu deveria ser operado o quando antes, e para isso chamaram um helicóptero, minha memória partiu do meu corpo ela não existia mais. Acordei um dia depois, com todos os meus filhos ao redor da cama, minha esposa, meus netos e por ai vai. Reconheci todos eles no primeiro olhar, e ai relataram o que se passou comigo. Minha cabeça tinha inúmeros pontos, mas meus braços e pernas, e aparência física estavam intactos. Vinhas às enfermeiras e me perguntavam que dia era hoje, qual data do meu aniversário, qual o meu nome, etc. Não me lembrava de datas. Tinha dificuldade para falar, e do nada perdi meu português, e só conseguia falara em inglês. Coisas da cabeça. Se eu ficava nervoso pedia a voz, e ele voltava horas depois. Fiquei uma semana e alguns dias na Flórida, não podia pegar um avião.
Porém, tudo passou, não fiquei com nenhuma sequelas, só uma cicatriz na cabeça, penso as vezes que morri e voltei, não sei ao certo, mas acho que ganhei uma segunda chance. Morrer é estranho, ou melhor, apagar é estranho, voltar às vezes é pior ainda, pois você esta cheio de dúvidas e agradecimentos. Hoje estou bem, mas a morte ronda todos nós, só não sabemos a hora certa que ela chega. Às vezes forçamos uma barra para ela vir logo, quando dirigimos depois de beber, não se cuidamos ou nos expomos demais a perigos desnecessários achando que somos os valentões.  No meu caso tudo passou, e estou de novo na ativa, acho que pior do antes, rsrs. 
Mas às vezes me pego pensando; que nada vai comigo de material, talvez o que vou levar é meus pensamentos, minhas idéias de vida, meu último olhar para mundo, não o mundo em geral, mas o meu último olhar para o meu mundo pessoal, que gira em tornos dos meus e de minha família. Meu globo de vida é pequeno, meu mundo pessoal é restrito, mas adoro viver nele, ao lado dos meus queridos, amo eles. Oxalá chegue aos 100 anos, afinal este é meu projeto de vida.


O mundo dos GRUPOS no Facebook

Só não tem um quem não quer. Para ter um Grupo no Facebook basta você querer abrir um, e o melhor de tudo, a coisa é muito fácil, basta puxar seus amigos da sua página pessoal para dentro dele e pronto. Um exemplo prático de como fazer isso; se você tem 5 mil amigos pessoais no Facebook que é o teto de uma página pessoal. Você abre um grupo e em poucos segundos você pode ter um Grupo (seja lá o nome que você vai dar ao grupo) com 5 mil pessoas no seu Grupo. Você já inicia seu Grupo com um numero sustentável. Seus amigos pessoais nem imaginam que são ‘marionetes’ nesta situação (ou imaginam e não estão nem ai), afinal você esta colocando eles no seu tal Grupo sem pedir nenhuma autorização para eles. Logo, tem um monte de gente fazendo isso, e do nada ‘você’ está em ‘Zilhões de Grupos’ espalhados pelo mundo sem pedir, sem saber como, tudo isso por que você tem muitos amigos e muitos deles já abriram Grupos no Facebook, e você serviu e vai servir muito ainda de ‘marionete’ nestes casos. Quando isso acontece sua página pessoal fica atolada de postagens. Para você cair fora do Grupo tem duas opções e é fácil: É só clicar em ‘Joined’ e vai abrir duas opções uma dizendo ‘Unfollow Group’ (esta ninguém incomoda mais você com este Grupo) e a outra ‘Leave Group’ (esta é uma saída temporária, seu amigo a qualquer momento pode incluir você de novo no Grupo).
Porém tem aquela opção que por iniciativa própria, você viu ou conheceu um Grupo no Facebook e quer se agregar a ele, ai e uma opção sua pessoal sem comentários. Consequência de abrir um Grupo: seus amigos a partir do momento que estão dentro do seu Grupo, qualquer postagem no Grupo batem no Facebook deles e claro, no seu que é mentor do Grupo. Bem você pode fazer um ‘Grupo Fechado’, e ai você vai ficar de ‘Bam Bam’ do tal Grupo, pois foi você quem criou. Quem quiser entrar ou postar no SEU Grupo Fechado precisa da sua autorização (isso tem enchido o ego de algumas pessoas ao extremo na comunidade, ter este poder). Você também pode optar em deixar o Grupo Aberto ao Público, assim quem quiser postar qualquer coisa fica a vontade, neste caso não existem restrições.
Todo o Grupo que começa sem um bom número de membros não prospera, e nesta luta de enfiar membros aos Grupos não interessa de onde eles vêm, falo do Brasil, da China, ou ‘do raio que o parta’, você ainda tem a opção, ou melhor, tem a barbada de poder comprar ($$$$ pagar por amigos virtuais) e enfiar numero de membros ali no seu Grupo do Facebook, todo mundo vai pensar que seu Grupo está bombando, e vai estar e você bombando dinheiro nele. Uma coisa importante: Qualquer um pode tudo no Facebook, comprar Likes, comprar membros em Grupos, etc., pagando tudo rola. Exemplo: Eu posso abrir uma página de uma empresa qualquer hoje, e amanhã ter 20 mil Likes nela, e só pagar, e tudo parece perfeito da noite para dia. E em um piscar de olhos sua empresa se torna a mais popular da praça no Facebook.
Os inconvenientes destes Grupos na nossa comunidade brasileira de Boston e arredores, e por que não dizer dentro dos EUA estão ficando visíveis e chatos. Tem muita gente que aproveita estes Grupos para fazer propaganda, e também para ganhar dinheiro postando propagandas, ai é que esta o problema. Tudo estaria dentro de uma zona de conforto, se não houvesse o abuso nas publicações. Nossa redação recebeu alguns e-mails sobre isso, de alguns de nossos leitores. Eles estão com um mal estar e dividiram este mal estar com a nossa redação. ‘Tem muita propaganda nestes Grupos’, dizem eles, ‘O pessoal posta 10 vezes por dia a mesma propaganda nos mesmos grupos’. Na verdade tem mesmo! Hoje temos uma média de 10 ou 12 empresas que esqueceram o seu desconfiômetro e fazem mais de 10 postagens iguais de publicidade por dia nos Grupos onde conseguem se filiar. Tem muita gente que não suporta mais isso, vê estas empresas com maus olhos. Algumas destas postagens são feitas pelas próprias empresas e outras não são feitas por terceiros, que faturam em cima disto, cobram até $400 por mês para isso, por cliente.
Isso tudo faz parte da ‘modernidade’ a tal dita mídia social. Sem dúvida uma espetacular ferramenta de divulgação. Porém alguns amigos dizem que do jeito que está os ditos ‘Grupos’, logo vão saturar o mercado, com tanta publicidade repetida no mesmo dia. As fortes alegações são; Primeiro a privacidade fica escancarada, e, diga-se de passagem, tem muita gente que adora se expor, e por outro lado, tem muita gente que detesta. Você pode optar pela sua privacidade e ter apenas amigos íntimos com acessos em todas as suas postagens, ou só em algumas, e pode deixar de fora do seu Facebook quem você quiser. Pode bloquear as postagens de terceiros na sua página, etc. Na pior das hipóteses pode dar um tempo na sua página, como se desligasse da tomada, e depois de alguns dias, semanas, meses, anos reativar sua página. A coisa foi feita de uma maneira fantástica. O que será que não vem por ai daqui uns anos! Com certeza o mundo esta melhorando com tudo isso, por outro lado, que não curte tudo isso, os mais conservadores, também ganham destaque, por que muitos chamam esta mídia social de lixo, mas por outro lado um 'Zilhão' de pessoas adoram e amam este lixo social. Isso não via terminar nunca, só vai prosperar.
E os Grupos como ficam? Todo mundo fala que os melhores são o que não permitem publicidade com fins financeiros... falo de empresas, até por que para o pequeno anúncio e um ótimo negócio. Os Grupos que rolam publicidade em abundancia estão em baixa e com pouca visualização, dizem as boas línguas das mídias sociais. Bom deste ponto em diante ai eu deixo a bola esta com você leitor.


Wednesday, September 27, 2017

Jogo ou aplicação financeira é um pecado?

Indiscutivelmente para qualquer cultura religiosa cristão, jogar financeiramente é um pecado sim. Na nossa comunidade brasileira em Boston não existe Pastor, Padre, ou seja, qual for o líder Cristão que exista independente de denominação que possa dizer ao contrário. Será? Por que o jogo não é aprovado pelos Cristãos? Por que para eles jogar para ganhar dinheiro é uma ‘cultura do azar’, no Brasil se agrega a isso a lavagem de dinheiro sujo, o que quer dizer que todo o dinheiro oriundo de qualquer jogo financeiro no Brasil, vem do tráfico, de falcatruas, de roubo, do engano ao povo e por ai vai. Teoricamente no livro dos livros no Velho Testamento, tem uma explicação sobre o dízimo e de como se deve ganhar dinheiro nesta vida, ela é explorada por todas as igrejas sem exceção para levantar fundos ‘para fazer o reino de Deus crescer’, seja ele de quem for.
 ‘E chegar-me-ei a vós para juízo; e serei uma testemunha veloz contra os feiticeiros, contra os adúlteros, contra os que juram falsamente, contra os que defraudam o diarista em seu salário, e a viúva, e o órfão, e que pervertem o direito do estrangeiro, e não me temem, diz o Senhor dos Exércitos. Porque eu, o Senhor, não mudo; por isso vós, ó filhos de Jacó, não sois consumidos.
Desde os dias de vossos pais vos desviastes dos meus estatutos, e não os guardastes; tornai-vos para mim, e eu me tornarei para vós, diz o Senhor dos Exércitos; mas vós dizeis: Em que havemos de tornar? Roubará o homem a Deus? Todavia vós me roubais, e dizeis: Em que te roubamos? Nos dízimos e nas ofertas. Com maldição sois amaldiçoados, porque a mim me roubais, sim, toda esta nação. Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa, e depois fazei prova de mim nisto, diz o Senhor dos Exércitos, se eu não vos abrir as janelas do céu, e não derramar sobre vós uma bênção tal até que não haja lugar suficiente para a recolherdes. E por causa de vós repreenderei o devorador, e ele não destruirá os frutos da vossa terra; e a vossa vide no campo não será estéril, diz o Senhor dos Exércitos. E todas as nações vos chamarão bem-aventurados; porque vós sereis uma terra deleitosa, diz o Senhor dos Exércitos. (Malaquias 3:5-12).
Dízimo não é um jogo celestial? De 10% do que você ganha para casa do tesouro e se você fizer isso vai receber as benções do céu que podem ser; mais dinheiro, ou seja, dinheiro por mais dinheiro, ou por saúde, etc, etc, prometidas para quem cumprir este quesito. Um jogo espiritual de fé, ou seja, você faz uma coisa acreditando que vai receber outra, uma troca, que na nossa linguagem de hoje mais moderna não deixa de ser um jogo, mesmo que seja um jogo celestial financeiro.
Nem tudo que está escrito no Velho Testamento tem uma aplicação literal nos dias de hoje, até por que foi escrito há séculos e alguns registros são milenares. A verdade é que o mundo sofreu transformações e evoluções que naquela época não existia, logo muitas coisas lá contidas ficaram obsoletas. Entretanto para algumas facções religiosas mais liberais os parâmetros Cristãos ficam mais centrados no Novo Testamento, pois ali tem os ensinamentos de Cristo e seus apóstolos mesmo sendo também um livro centenário/milenar, as doutrinas ali contidas servem de convenção, de estatuto, de ensinamentos para o mundo cristão em geral independente de denominação. Este mundo cristão do qual eu faço parte, não abre mão do Malaquias 3:5-12, até por agregam a esta convenção financeira religiosa, ‘que todo o homem deve ganhar o seu sustento com suor do seu rosto’ e se apegam a isso para dizer que qualquer jogo ou tipo de jogo financeiro é uma contraversão, um pecado para o mundo, logo um pecado para Deus. Mais uma vez me vem à pergunta será?
Todas as igrejas independentes de denominações ou credos (cristã ou não) para terem o direito de cultuarem a sua doutrina em qualquer país da terra, primeiro precisam estar dispostas a se submeter às leis e a constituição dos mesmos, nenhuma tem livre conduta, todas elas são submetidas primeiro as leis do país onde se estabelecem, e isso é uma fato. Também é um fato que todos precisam respeitar o regime político de cada país. Igreja não dita normas sociais locais, quem faz isso em qualquer parte do mundo são os representantes do povo (políticos), ou ditadores, como queiram, mas nunca a igreja.
A onde quero chegar? O quero explicar é que os jogos financeiros, ou melhor, dizendo cassinos, bingos, raspadinhas, sena, mega sena, etc, etc, no Brasil é uma contraversão na visão cristã. Agora aqui nos USA muitos destes jogos como no Brasil são legais. Cassinos aqui nos USA em muitos estados é legal, lícito e a origem do dinheiro não é necessariamente de contraversão, da ilegalidade e se for os donos vão para cadeia. A grande maioria dos cassinos americanos pertencem a tribos indígenas americanas, e com certeza eles por tradição e cultura não tiveram suas origens financeiras no dinheiro sujo, na contraversão como a gente fala lá no Brasil. Logo jogar nos USA não é um pecado, é uma cultura local e cada um tem o direito de fazê-lo ou não usando seu livre arbítrio, e jamais alguém pode ser censurado ou discriminado por isso. Para exemplificar: se alguém ficar rico jogando cartas, foi por que este alguém ficou horas, anos a fios jogando para isso, logo foi com muito trabalho que ficou rico jogando cartas, e se ganhou uma fortuna em um segundo, foi sorte, não pecado. E com certeza o dinheiro que ele ganhou não deve ser considerado sujo, afinal ganhou de uma forma limpa, assim como poderia ter perdido, tudo honestamente e dentro das leis do país.
Para não ficar só nos cassinos, a especulação financeira, dentro da teoria cristã deveria ser considerado um pecado também, mas não é. Poupança, bolsa de valores, aplicações financeiras de qualquer ordem, deveria ser abominável para qualquer Pastor, Padre ou líder cristão, afinal de contas todas são especulativas, um jogo, ou seja, ganhando dinheiro sem trabalhar, ganhando o seu sustento sem empregar o suor do seu rosto para usufruir dele, do lucro. Quando você aplica no mercado financeiro você está jogando, não no cassino, mas de uma maneira mais discreta, poderíamos dizer até mais sofisticada. 
Tem zilhões de igrejas cristã jogando alto, pesado com aplicações no mercado financeiro do mundo todo. E muitas destas aplicações são de risco, podem perder ou ganhar (em segundos como o jogador de cartas), depende de como o mercado esta reagindo e a economia mundial está andando, ou as empresas estão operando. Isso não é um jogo? Isso não é ganhar dinheiro sem suor do seu rosto? É claro que é. Você tem duvidas disto?
É pecado é trocar benções por dinheiro? Posso explicar; O dízimo eu acredito ser verdadeiro sim, afinal como disse anteriormente e repito sou um cristão, mas não acredito que necessariamente você precisa levar ou doar para uma igreja para receber os benefícios do seu ato financeiro para com Deus, até por que nenhuma igreja até hoje mostrou uma procuração de Cristo para gerenciar tais recursos que supostamente seriam Dele. Todas elas dizem ser o tutor dos bens de Cristo, mas nunca fizeram nada legal para provar isso. Por exemplo; poderiam abrir seus livros, suas contabilidades, etc, muito pelo contrario, escondem e são isentas de pagar impostos e não precisam prestar contas publicas, entretanto eticamente deveria distribuir para seus membros anualmente cópias dos seus balanços, mas nenhuma o faz. Não acredito ser errado pagar o dízimo para uma denominação cristã que você acredita ser verdadeira e acredita que ela gerencia tais recursos para ajudar seus membros e não para enriquecer ou bancar uma vida de regalias com glamour dos seus supostos líderes. Minha idéia não é desmotivar o pagamento dos dízimos por parte dos fieis, das ovelhas, ‘só dar transparência ao extrato bancário que as denominações têm em nome de Deus’.
Agora voltando á pergunta jogar financeiramente é pecado para um cristão? Claro que não. Tem muita gente que acredita que qualquer dinheiro de jogo (cassino, bolsa de valores, poupança, aplicações financeiras, especulação de mercado, etc.) não é de Deus. O que seria dinheiro limpo então? Se nada disto é limpo, você precisa ralar no dia a dia para ser um empresário, homem do campo ou funcionário de tempo integral para ter a ‘provação da igreja’ para se qualificar a ter o direito de dizer que ganhou o seu dinheiro com suor do seu rosto? Onde fica a parábola dos talentos nesta história? Aquele que ganhou um dólar apresenta um dólar (talento) no juízo final, este escondeu e salvou o que lhe foi dado. O outro multiplicou seu um dólar em muitos outros, e no juízo final tinha muitos dólares para devolver ao seu Senhor. O veredicto da parábola esta lá na bíblia e você já conhece e eu também.
Na corrida da multiplicação financeira cada um é livre para escolher a sua, deste que seja legal no país em que ele estiver vivendo, o resto é pecado só na cabeça de quem esteja em um ritmo menor de conquista. Entretanto a felicidade ou o caminho do galardão não se consolida depois da morte, balizando o poder financeiro de cada individuo como salvador, mas no que ele agregou durante a sua vida dentro dele mesmo. Se você tem recursos financeiros suficiente para suas necessidades e de sua família, isso e mais do suficiente para um homem resgatar sua dignidade de igual para igual com qualquer pessoa do mundo e perante Deus também.