Wednesday, December 28, 2016

A reviravolta do Natal!


Paulo Monauer



Já se foram 56 natais na minha vida, neste ano vou para o meu 57. No retrospecto dos meus Natais tem de tudo, mas um marcou muito. Lembro do meu tempo de criança, acho que tinha uns 6 ou 7 anos e minha mãe comprou de Natal, para mim e para ela (morávamos só nos dois na casa) uma televisão da marca Admiral que tinha uma caixa de som com 3 auto falantes embaixo, era um móvel só, ela girava em cima do móvel, era muito moderna na época, com certeza tinha umas 24 polegadas e claro era preto e branca. TV colorida ainda não tinha naquela época dentro do meu mundo e da minha vizinhança. Aquela máquina de imagens me fez viajar inúmeras vezes, eu adorava a coisa. Eu via encantado seriados do Zorro, Os Três Patetas, Bonanza, Daniel Boone, Rin Tim Tim, O Vigilante Rodoviário, desenhos e outros programas mais, mas estes eu não perdia um todo dia, tinha horário fixo para sentar na frente da TV. Eu ficava hipnotizado olhando aquela belezura de TV zero bala dentro de casa, mesmo apagada, achava aquela máquina linda demais e ela me enchia de alegria e prazer. A nossa vizinha tinha uma TV também, e eu antes de ter minha TV, via TV na casa dela, até que chegou a nossa, mas a dela era menor, e ela colocava um filtro de insulfilme na frente da tela com as cores do arco Iris. A TV tinhas uns coloridos por causa do filtro, algo estranho, mas na época era moda, lá no bairro. A minha TV era preto e branco ou cinza e branco, sem este tal de filtro, minha mãe não gostava do filtro e nem eu, o tal filtro a gente podia comprar no armazém da esquina, um acessório barato. Sou filho adotivo, logo não tive pai, não conheci meus avôs. Minha mãe fez a lição de casa foi meu pai e mãe como ninguém. Cada Natal tem suas peculiaridades, suas lembranças, o que me marcou o no meu foi a tal TV. De lá para cá, nenhum Natal foi tão significativo para mim como aquele. Desde que me lembro, comecei meus Natais como um filho afoito por presentes, dinheiro não rolava e nem era tão importante o presente sim. Na verdade acho que todo mundo começa neste nível, ansioso para receber presentes. Afinal qual família que não curte presentear as suas crianças, seja o presente que for, não importa o preço, o valor, o que todo mundo faz é dar alguma coisa para uns dos seus, afinal é Natal.

Já fiz de tudo no Natal. Afinal tenho filhos, netos etc. Contudo uma coisa nunca mudou, continuo recebendo presentes, agora como uma particularidade maior, já não me importo mais tanto com os presentes que recebo no natal de outras pessoas, mas o que eu mais curto mesmo é os presentes que eu me dou. Me auto presentear depois de uns anos para cá, tem sido algo significante e criou no meu coração uma satisfação que até então eu desconhecia, é bom demais. Contudo é claro que ainda curto uma surpresa, e na verdade sempre ganho algum presente, mas isso já não faz mais tanta diferença. Sem desprezar quem sempre me tenta me agradar nesta época do ano.

Não sei a sua idade, mas tente se auto presentear nos Natais, escolha seus presentes e compre algo para você mesmo, você vai experimentar um prazer sem igual e nunca mais vai parar. Esta é a reviravolta do dia Natal na minha vida. Qual é sua? Contudo curto uma vida normal e adoro dar presentes e passar o Natal com os meus, mas não curto festas e mais festas de Natal. Para mim o Natal será eternamente pessoal e familiar e com certeza não abro mão de meus princípios de fé, e sempre lembro do aniversariante e entre outras coisas sempre agradeço a ele por mais um Natal.



Feliz Natal!  

No comments:

Post a Comment