Tuesday, April 24, 2012

Luiz Henrique Pimentel Bennaton Usier o brasileiro ‘freshman’ em Harvard/2012

Luiz nasceu em Guararema, interior de São Paulo, e com apenas 18 anos é um dos três brasileiros ‘freshman’ em Harvard, em 2012. Passou no vestibular na USP em São Paulo, começou a estudar e foi fazer testes para vir estudar no exterior mais diretamente na Harvard, estes testes de qualificação para entrar em Harvard podem ser feitos em vários locais em São Paulo e no Brasil a fora. E foi em um destes locais que o Luiz abriu sua porta para vir estudar nada mais nada menos que em Harvard. Com uma média altíssima no teste, foi aceito pela Harvard. Veio para os USA em agosto/2011 e fez sua matricula e já ficou por aqui mesmo. Em dezembro/2011 foi ao Brasil visitar a família e logo voltou. Luiz diz que esta adorando o novo estilo de aluno que esta levando. Comparando a USP com a Harvard, diz que a metodologia de ensino aqui é um paraíso para quem vem do Brasil. As vantagens são enormes, a credibilidade que a faculdade deposita no aluno e algo incomensurável. Luiz relatou ao Hello que o que paga em Harvard hoje é menos do que pagava na USP, ou seja, é mais barato estudar em Harvard do que na USP para ele. Logo que fez a matricula dele não sabia o quanto teria que pagar de faculdade, mas sabia que o custo em Harvard é em média de $50 mil por ano. Contudo ele apresentou a declaração de renda de sua família lá do Brasil e conseguiu uma bolsa de 95% do custo da Harvard. Sua família não é rica e tem apertos como a grande maioria das famílias brasileiras. Feliz e com um largo sorriso, diz que é difícil conseguir tudo isso, mas não é impossível, e diz que não é o dinheiro que conta, mas sua capacidade de pagar agregado em ser aceito em Harvard, está combinação pode dar certo como deu para ele. Luiz não sabe em que vai se formar, diz que nestes meses que está aqui já mudou de opinião mais de 10 vezes sobre em que se especializar, contudo diz que só precisa decidir isso no inicio do terceiro ano em Harvard. Com 22 anos sairá de Harvard graduado, sabe se lá o que ele vai ser, mas com certeza, será um homem de sucesso e com um salário de dar inveja a muitos.

Base curricular de ensino em Harvard
O calouro que entra para se graduar na Harvard, tem nos seus primeiros dois anos de faculdade a liberdade total para escolher qualquer cadeira que queira estudar. São quatro matérias por semestre, e em média no máximo 12hs de aula por semana em classe. Nestas 12hs de aula o aluno recebe muitos deveres para fazer em casa, e o famoso ‘home work’ que conta como horas de estudo para sua formação. Isso da um total de mais ou menos 200hs de estudo por ano com acompanhamento de um professor dentro da sala de aula. Todo aluno faz a grade de matérias que quiser nos seus primeiros dois anos de faculdade, independente do curso que vai se profissionalizar, ou sair graduado. Depois de dois anos de faculdade, o aluno é obrigado a se definir em que vai se especializar ou se formar, muitos alunos durante os primeiros dois anos, estudam, reafirmam em seus pensamentos para ver qual vai ser sua especialização, e na verdade têm muitos que trocam de opções inúmeras vezes. Passado os dois primeiros anos o aluno ainda tem mais dois anos de faculdade pela frente, com um detalhe, nestes últimos dois anos ele ainda tem a prerrogativa de escolher a cada semestre 2 cadeiras livres de um total de 4 por semestre (ou seja, a que ele quiser independente da sua especialização ou graduação) e duas obrigatórias para sua especialidade. Na verdade em 4 anos de faculdade o aluno vai fazer 8 cadeiras de especialização obrigatórias que a Harvard vai definir, e ele terá 24 cadeiras livres que ele o aluno escolhe independente de qual vai ser a sua formação.

O método não é novo e já vem sendo praticado há anos, e da Harvard saem alguns dos melhores profissionais do mundo. Dar tanta liberdade ao aluno pode complicar? Para Harvard não. Até por que se o aluno não faz o ‘home work’ não consegue a graduação. Será que tem alguma faculdade com estes moldes no Brasil? De uma olhada na tabela abaixo e veja a distancia que o Brasil está em método de formação de profissionais que possam ser expoentes do mundo:

Harvard curso com graduação em 4 anos            Brasil curso com graduação em 4 anos
8 semestres / em média                                           8 semestres / em média
32 cadeiras / em média                                            40 cadeiras / em média
12hs de aula por semana em sala de aula            20hs por semana / fixas em sala de aula
200hs de estudo por ano/ em média                    640hs de estudo por ano / em média
24 cadeiras livres e 8 cadeiras obrigatórias         40 cadeiras obrigatórias / no mínimo
Tema de casa/conta horas em classe                    Tema de casa/NÃO contan como horas em classe
Avaliação do aluno / um conjunto de fatores      Avaliação do aluno / basicamente é o teste

O Brasil oferece a um acadêmico uma carga horária puxada, com cadeiras obrigatórias, sistema de ensino forçado e a analise do aluno basicamente através de provas, totalmente sem liberdade de opções para ao estudante, é tudo na imposição. Nosso primeiro mundo brasileiro ainda tem muitas portas a abrir e avançar, não é a toa que a presidente Dilma disse há algumas semanas atrás em Harvard quando esteve em Boston: ‘Nós (Brasil) precisamos muito da Harvard’, e retrucou logo em seguida: ‘Somos a quinta economia do mundo e com certeza a Harvard também precisa muito do Brasil’. Isso quer dizer o Brasil tem dinheiro, mas o nosso ensino e tecnologia precisa de avanços longos para chegar ao topo e se colocar entre os melhores do mundo.

HBN – Notícias – Paulo Monauer – Publicado na Edição 47 – 04/24/2012 - Página 6
Fotos Paulo Monauer/Divulgação Harvard
Contato: pmonauer@hellobrazilnews.com
www.hellobrazilnews.com
www.pmonauer.com
Siga-nos no Facebook – Hello Brazil News


No comments:

Post a Comment