Saturday, November 29, 2014

O brasileiro Dadalto Jr. já cumpriu pena de 12 anos em regime fechado, na hora de ser solto, não foi, e continua preso até hoje 7 anos depois, um absurdo!

Matéria Exclusiva by  Paulo Monauer
Totalmente proibida a reprodução somente com autorização do autor.
Reportagem Investigativa
 
'Onde está a ação dos direitos humanos, que deve ser pilotada pelo Consulado Geral de Boston, a Ministra Maria Helena Pinheiro Pena se diz impotente neste caso, por outro  lado faz anos que o consulado não faz uma visita oficial para o Dadalto e sua família'.

Antonio Coco Dadalto Jr., está em dia com a justiça da MA e com a sociedade americana, pagou pelo suposto erro e cumpriu 12 de prisão em regime fechado, mas já deveria estar solto desde 2007, hoje em 2014, 7 anos depois ainda continua preso em Massachusetts, sem uma explicação convincente para família e para o próprio Antonio Jr que vive uma saga que parece não ter fim.
 



·       O personagem Antonio Coco Dadalto Jr.
Antonio Coco Dadalto Jr, nascido em 04/05/1972 na pequena cidade de Afonso Claudio no interior do estado do Espírito Santo, hoje (2014) já está com 42 anos. Em 1990, já com 18 anos, se aventurou e fez sua via sacra pelo deserto e entrou nos USA pelo México, mas não foi pego pela imigração e atravessou a fronteira sem problemas. Logo veio se estabilizar em Somerville, e começou a trabalhar e fazer o que todo brasileiro faz na América, tentar realizar o seu sonho americano. Ele foi à primeiro da sua família a entrar nos USA. De lá para cá, já tem irmãos, sobrinhos, cunhados todos morando nos USA, muitos de sua família são legais e outros ainda esperam a chance de legalizar. Definitivamente os membros da família Dadalto querem se estabilizar e viver nos USA. Os pais de Antonio, também já são legais nos USA e hoje vivem uma ponte área entre o estado do Espírito Santo/Boston/Orlando onde tem filhos.
·       A tragédia
Antonio Jr., que leva o mesmo nome do pai, em 1990, com apenas 18 anos e sem muitas experiências de vida e já na América se envolveu com muitos amigos de vida fácil e viveram algumas emoções mais fortes. O ápice de suas escolhas erradas se deu em 1995. Já fazia algum tempo neste período que Antonio Jr. estava envolvido com o uso de maconha e drogas. Tinha amigos americanos e brasileiros na época. E foi por uma triste e infeliz situação que sua vida se tornou um inferno, consequentemente estendeu o seu sofrimento para todos os seus familiares. Neste ano 1995 já com 23 anos ele se envolveu em um briga com uma garota americana por causa de (drogas) maconha, acabou espancando a garota. Ela se sentiu inferiorizada e foi à polícia, denunciou Antonio. Ele foi preso, mais no meio do processo antes de ele ser apresentado ao juiz na corte, a menina americana agregou a sua denuncia que Antonio também a tinha a violentado sexualmente, este detalhe acabou com vida de Antonio Jr.
·       A Corte e o Julgamento
Ficou comprovado por pericia na corte que não houve abuso sexual de Antonio na menina americana, conforme relato dos e membros da família Dadalto, que acompanharam cada passo em todos os momentos do julgamento junto com Antonio. Mesmo ficando comprovado que não havia tido um abuso sexual neste caso a promotora do caso propôs um acordo, 12 anos de prisão e depois de cumprido a pena ele seria deportado imediatamente para Brasil. O acordo por alguma razão foi aceito, na época, por conselho de terceiros que estavam próximo a família e ao Antonio Jr. que seria a melhor coisa a fazer no momento. Começou ai uma saga de sofrimento da família Dadalto. Antonio Jr. foi condenado há 12 anos em cárcere privado em Massachusetts.
·       A família Dadalto
Neste período de 12 anos a família Dadalto cresceu aqui nos EUA, os irmãos se casaram, Antonio tem hoje várias sobrinhas americanas, e o Antonio pai e sua mãe Xirle, ambos hoje com mais de 74 anos e aposentados no Brasil se legalizaram nos EUA não por opção, mas por necessidade de estarem próximos ao filho preso e aos netos, com este objetivo  intensificaram suas vindas para os EUA, e neste período de 12 anos contaram cada dia do filho na cadeia e fizeram uma contagem regressiva para ver seu filho solto da cadeia.  Foram mais ou menos 4224 dias contados um a um, esperando a hora de ver Antonio Jr. livre da prisão e não foi. Já se passaram mais 2464 dias extras pena e ainda nada de liberdade para Antonio Jr. Foram inúmeras visitas a prisão, sempre que podiam, ficaram o mais perto possível do filho, que por conta da justiça americana cometeu um crime e precisava pagar por ele, mesmo que a família divergisse da sentença e da condenação. Muito dinheiro foi gasto neste período com advogados e viagens, a família perdeu a conta de quanto já gastou neste processo todo do Antonio Jr, um sacrifício não só financeiro de todos, mas também emocional ao estremo.
·       Antonio Jr, o condenado
Nestes 12 anos sofreu muito, nunca se conformou com a condenação, nunca se conformou com a pena dura de 12 anos de cadeia, nunca se conformou com o acordo feito no tribunal, nunca se conformou de perder anos sagrados de sua vida encarcerados em uma cela. Sem opção e muitas vezes revoltado com a situação teve que aceitar tal sofrimento isso o tornou um homem de pavio curto na cadeia, onde a lei do mais forte prevalece e teve algumas brigas comuns nas cadeias por onde passou, contudo nada sério ou que merece um novo julgamento ou coisa do gênero, para uma nova condenação por tais atitudes. Neste período de 12 anos de cadeia Antonio Jr., já passou pelas cadeias de: Cambridge, Bellirica, Concord, Shirley, Gardner, Walpole, Bridgewater, isso por que sistema prisional Americano funciona em forma de rodízio, ou seja, transfere o preso para ele não se enturmar ou fazer Ganges dentro do presídio, de tempos em tempos estas transferências são corriqueiras.
·       O fim da pena, finalmente chegou o dia de ser solto
O fim da pena de Antonio Jr. foi em 2007, depois de 12 anos preso, chegou o momento de ser solto e deportado, para o Brasil. Família eufórica, Antonio ansioso, em fim um momento especial para todos, começava ali o fim de um pesadelo e o inicio de um outro ainda pior, eufórico por uma nova vida uma nova situação para Antonio Jr. Não continha sua ansiedade, afinal foi preso com 23 anos e agora já estava com 35 anos (2007), nem tudo estava perdido e ainda tinha muito tempo para reorganizar a vida, construir uma família e com a ajuda da sua própria família se reintegrar na comunidade, até por que tudo isso se daria lá no Brasil, uma vez que Antonio ao ser condenado assinou uma carta de deportação espontânea, bem longe do local onde traz para Antonio tantas lembranças ruins.
·       A surpresa, a dor, o sofrimento
Antonio não foi liberado, depois de cumprir a pena. Foi levado para um tribunal novamente, e acusado de ser uma ‘pessoa sexualmente perigosa’, e logo não poderia sair a ruas, por que representa um perigo para sociedade americana. Os pais e toda a família de Antonio se  revoltaram com a situação e negam tamanha agressividade do filho, contestam a ação da corte e não entendem a acusação e por que estavam segurando Antonio. A juíza que cuida do caso alega que se Antonio sair da prisão pode ser um perigo para os americanos, mesmo sendo deportada para o Brasil, ela teme que ele volte para os EUA uma vez que têm parentes aqui e que ele volte ser um perigo para sociedade americana. Paralelo a tudo isso, a promotora do caso quer agora provar que Antonio Jr. tem problemas mentais, e por isso ele deve ficar preso para ser tratado, e hoje ele se encontra no presídio psiquiátrico; Mass Treatment Center que fica na 30 Administration Rd em Bridgewater, MA - 02324. Ele pode ser visitado por qualquer pessoas sem restrição desde que ele queira receber a pessoa, não precisa fazer apontamento para isso, os dias de vista são todas as sextas-feiras, das 17hs30min as 20hs30min, nos sábados o horário é das 13hs as 20hs30min e nas segundas-feiras das 13hs as 17hs. Não é necessário ligar previamente.
·       O inaceitável; quase 7 anos depois de ter cumprido a pena o brasileiro Antonio Jr. ainda continua preso até hoje
Hoje o caso esta da seguinte forma. Os pais de Antonio contrataram um advogado, já pagaram mais $23 mil dólares para ele cuidar do caso. A justiça de Massachusetts já tentou marcar uma nova corte para tentar segurar Antonio preso, para isso à promotora pediu duas analises de psiquiatras para avaliar o Antonio, as duas analises tiveram como resultado que ele tem problemas mentais, o advogado de defesa, por outro lado também pediu duas analises de psiquiatras, e os dois foram categóricos em afirmar que Antonio é normal não tem problemas mentais. Fora a tudo isso tem a questão legal de Antonio que não é cidadão americano, logo se já cumpriu a se precisasse de algum tratamento não pode ficar sob a tutela do estado de MA para receber este tratamento, caso seja confirmado sua a necessidade e mesmo que for confirmado que tem problemas deveria ser deportado e poderá se tratar no Brasil em liberdade. A luta nos tribunais continua e parece sem fim, e enquanto isso o brasileiro Antonio continua preso, e sem direito a voltar para seu país, o Brasil, para o colo de sua família. Sua dívida com a justiça americana esta paga, com juros e correção monetária, isso representa mais 7 anos depois de cumprir a pena ainda está preso. Contudo a pergunta latente da família é já cumpriu mais de 7 anos extra para a pena de 12 anos sendo que esta há  19 anos presos não é o suficiente? Os pais a família alegam que ele é normal e o visita regularmente  na prisão, falam com ele no mínimo 3 vezes por semana por telefone, e só que querem ver Antonio livre deste pesadelo, antes que ele fique louco de vez com esta situação que estão impondo injustamente para ele. A família já não tem mais um centavo para gastar. Os pais já se desfizeram de propriedades no Brasil para pagar advogados e outros custos para tentar tirar Antonio desta situação, eles já não tem mais um centavo para gastar, e estão todos cansados e desesperados, não sabem mais para quem vão recorrer, estão todos gritando por socorro, por qualquer ajuda
·       A luta por ajuda, o que fez o consulado até aqui
O consulado do Brasil em Boston, já foi acionado, há muitos anos neste caso e a antiga funcionária do consulado, Maria Socorro já vinha acompanhando o caso por anos a fio, mas foi transferida.  A nova encarregada do consulado depois dela foi a Samira Martins, agora o encarregado dos presos em Boston e o agente consular Glênio Bongilo (funcionário administrativo sem carreira diplomática) que também nada fez nesta caso, a Ministra Maria Helena perita em ajudar os outros, em assistência humanitária até já premiada pela ONU, porem neste caso disse estar com as mãos amarradas e que diplomaticamente não pode fazer nada por Antonio, apesar de achar a situação um absurdo. Seu Antonio pai, se reuniu inúmeras vezes com membros do consulado para estudar novas estratégias de ação para deportar seu filho para o Brasil e acabar com este sofrimento, mas nenhuma destas tentativas funcionou parou na diplomacia. Neste período depois que Antonio Jr. cumpriu a pena, o Sr. Antonio pai, já bateu na porta de Fausto da Rocha, na época em que este era atuante pela comunidade no Centro do Imigrante Brasileiro, ele disse que pouco ou quase nada poderia fazer neste caso. Sr. Antonio pai chegou a cumulo de pagar uma passagem e estadia para o ativista do PT Jorge Costa, ir a Brasília para tentar uma ação política e diplomática no caso, estava desesperado e aceitou investir em qualquer pingo de esperança, mas Jorge Costa também não ofereceu nenhum retorno e sua influencia praticamente inexiste. Já tentou por conta própria falar com políticos influentes no Brasil, e recebeu o apoio e a solidariedade de todos, mas nada de prático e efetivo foi feito. Seu filho ainda continua preso.
·       Hoje o que esta sendo feito
Em uma luta que parece não ter fim nunca, seu Antonio pede e aceita a ajuda de quem for possível para ajudá-lo neste caso. Quer seu filho solto livre lá no Brasil, pra ontem. Ele esta mais uma vez confiante em uma ajuda diplomática para este caso e para isso, está sempre acreditando no trabalho eficiente que o consulado do Brasil em Boston vem desenvolvendo sem resultados há anos,porém ele acredita que vai ter uma ajuda diplomática significativa para solucionar o caso de seu filho um dia e não perde as esperanças de lutar pelo filho. Este caso precisa ir para a TV Americana, Jornais Brasileiros, Programas de TV no Brasil, Fantástico, Boston Globe, etc. Precisa de barulho e muita divulgação, quem sabe a coisa não se resolve. Os pais estão velhos cansados de ficar calado e sentem que se não agirem logo seu filho pode morrer na cadeia por aqui, de puro desgosto com a vida, sem nenhuma razão obvia para este confinamento. O estado de Massachusetts alega que pode manter Antonio Jr. preso pelo tempo que desejar, mesmo ele já tendo cumprido a pena dele, tanto que ele esta 7 anos preso depois do fim da pena é só enquadrá-lo como perigoso para sociedade. A lei é clara em Massachusetts, mas ninguém entende que lei é esta. Isso parece ditadura militar, não uma democracia. Deportem o Antonio Jr. Para o Brasil. Os pais pedem para que a comunidade toda ore por Antonio Jr.  e para que a juíza que detém o caso possa amolecer seu coração e deixar seu filho voltar para o Brasil, afinal sua divida aqui já esta paga e muito bem paga, com 7 anos de juros extras. É inaceitável que a diplomacia brasileira tente abafar o caso, como o vem fazendo há anos, ninguém quer falar do caso, parece segredo de estado, enquanto isso o tempo passa para Antonio Jr. E há 19 anos o sol nasce quadrado para ele. Nós da redação do Hello Brasil Boston News, já temos conhecimento deste caso há mais de 2 anos, e em respeito a família e aos pais de Antonio Jr, nunca publicamos este caso, pois a prioridade é de quem esta sofrendo, de quem esta preso, da dor familiar. Porém hoje é o dia do basta. O mundo precisa saber que tem um brasileiro indocumentado confinado há mais de 7 anos no Estado de Massachusetts, em dia com as leis americanas sendo impedido de voltar ao Brasil. Esta situação faz Antonio morrer um pouco mais a cada dia, seu ego, sua crença em justiça, esta indo para o espaço, seu humor,  pois se isso é justiça o que será injustiça neste mundo. A família Dadalto implora a quem puder ajudar, dinheiro eles não tem mais, agora eles precisam de solidariedade mesmo; ‘por favor’,  ajudem o Antonio Jr a voltar para casa. 
HBBN – Paulo Monauer
Fotos Reprodução do Álbum da Família – Paulo Monauer

No comments:

Post a Comment